“Lugar de mulher é onde ela quiser” : caminhos cartográficos de mulheres na pesquisa em saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8nsup2p157-170

Resumo

Apresentamos nosso percurso cartográfico na pesquisa em saúde, no lugar de fala de mulheres de luta, que buscam espaço em terreno eminentemente masculino. Nosso objetivo é tecer reflexões a partir de nossas experiências em territórios de vida, na pesquisa em saúde e da análise crítica do mundo. A proposição é escapar dos procedimentos metodológicos tradicionais estabelecidos na ciência positivista. Para tanto, nos aventuramos no método cartográfico, que busca explorar as multiplicidades que integram nossas caminhadas. O local desse encontro, é o semiárido nordestino, e a adoção do termo encontro, parte da nossa história enquanto mulheres que vivenciam trajetórias acadêmicas, de origens diferentes. Nossa experiência nos faz refletir que o acesso a graduação e a pós-graduação é diferente não só quanto ao gênero, mas dentro do grupo de mulheres também há uma diferenciação econômica e racial. Apontamos, também que mesmo diante das dificuldades traçamos nosso percurso participando de coletivos que construíram as profissionais que somos hoje. Concluímos que nosso lugar é onde quisermos estar e que para vencer esse mundo de opressão só é possível a partir da sororidade, uma vez que integrar o mundo da ciência é também exercer um papel político, ético e social.

Referências

Silva FF, Ribeiro PRC. Trajetórias de mulheres na ciência: "ser cientista" e "ser mulher". Ciênc. educ. (Bauru). 2014; 20(2): 449-466.

Citeli MT. O feminismo mudou a ciência ?. Cafajeste. Pagu , Campinas. 2002; 17-18, 373-377.

Barros SCV, Mourão L. Trajetória profissional de mulheres cientistas à luz dos estereótipos de gênero. Psicol. Estud. Maringá. 2020; 25, e46325.

Rolnik S. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo/ Suely Rolnik. - Porto Alegre: Sulina: Editora da UFRGS, 2011.

Freire P. 1921 – 1997. Política e educação : ensaios / Paulo Freire. – 5. ed - São Paulo, Cortez, 2001.

Haddad S. Artigo- Política, educação e atualidade do pensamento freiriano. Educ. rev. 2019; 35:214048.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016/2019. [acesso em 2020 jul 27]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estatísticas de gênero, indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2018. [acesso em 2020 jul 27] Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

Bondia JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência*. Rev. Bras. Educ. 2002; 19:20-28.

Siqueira ACA. Ser mulher na pós- graduação em Filosofia. Rev Lampejo. 2017; 6(1):216-2020.

Johnson PA, Widnall SE, Benya FF. Sexual harassment of women: Climate, culture, and consequences in academic sciences, engineering, and medicine. National Academies Press. 2018.

Velho L. Prefácio. In: Santos LW, Ichikawa EY, Cargano DF. (Org.). Ciência, tecnologia e gênero: desvelando o feminino na construção do conhecimento. Londrina: IAPAR, 2006. p. xiii-xviii.

UN News. At UN, Malala Yousafzai rallies youth to stand up for universal education. 2013. [acesso em 2020 ago 02] Disponível em: https://news.un.org/en/story/2013/07/444472-un-malala-yousafzai-rallies-youth-stand-universal-education

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 out

[acesso em 2020 ago 02] Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Sguissardi V. Produtivismo acadêmico. In: Oliveira DA, Duarte AMC, Vieira LMF (Org.). Dicionário de trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

Rolnik S. Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético, estética política no trabalho acadêmico. Cadernos de subjetividade. PUC-SP. São Paulo. 1993; 1(2): 242-2522, 1993.

Leal T. A invenção da sororidade Sentimentos morais, feminismo e mídia. Tese (Doutorado em Comunicação). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Centro de Filosofia e Ciências Humanas Escola de Comunicação. Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura. Linha de Pesquisa em Mídia e Mediações Socioculturais. Rio De Janeiro. 2019.

Conceição JM, Teixeira MRF. Mulheres na ciência: um estudo da presença feminina no contexto internacional. Tear: revista de educação, ciência e tecnologia. Canoas, RS : IFRS. 2018; 7(1):1-18.

Marin AH, Silva CT, Andrade EID, Bernardes J, Fava DC. Competência socioemocional: conceitos e instrumentos associados. Rev. bras.ter. cogn. 2017;13(2), 92-103.

Santos MV, Silva TF, Spadari GF, Nakano TC. Competências socioemocionais: análise da produção científica nacional e internacional. Gerais, Rev. Interinst. Psicol. 2018; 11(1): 4-10.

Cotta RMM, Costa GD, Mendonça ET. Critical and reflective portfólios: a pedagogical

approach centered on cognitive and metacognitive skills. Interface (Botucatu). 2015;

(54):573-88.

Souza KMJ, Seixas CT, David HMSL, Costa AQ. Contribuições da Saúde Coletiva para o trabalho de enfermeiros. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2017 June [cited 2020 Aug 04]; 70( 3 ): 543-549. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672017000300543&lng=en. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0401.

Netto L, Silva KL, Rua MS. Prática reflexiva e formação profissional: aproximações teóricas no campo da Saúde e da Enfermagem. Esc. Anna Nery [Internet]. 2018 [cited 2020 Aug 04] ; 22( 1 ): e20170309. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452018000100602&lng=en. Epub Feb 08, 2018. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0309.

Takahara AL, Mendes AMPC, Rinaldi GP. Mulher na Educação Superior: alguns apontamentos para o debate. Programa de Apoio à Iniciação Científica - PAIC 2015-2016. [acesso em 2020 jul 27]. Disponível em: https://cadernopaic.fae.emnuvens.com.br/cadernopaic/article/viewFile/196/156

Alves LC. Mulheres indígenas na pós-graduação: trajetórias e r-existências 2019. 128 f., il. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 1995.

Barreto RO, Carrieri AP, Romagnoli RC. O rizoma deleuze-guattariano nas pesquisas em Estudos Organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 2020; 18(1), 47-60. Epub.

Portes ALF. “Temos de nos tornar a mudança que queremos ver...” (Mahatma Gandhi, 1869-1948). Rev. bras.oftalmol., Rio de Janeiro. 2015;74(1):5-6.

Downloads

Publicado

2022-11-19

Como Citar

Teodoro Farias, Q. L., Cavalcante, A. S. P., Amaral, V. F. do, Alencar, O. M. de, Barreto Marinho, M. N. A. de S., Vasconcelos, M. I. O., & Silva, M. R. F. da. (2022). “Lugar de mulher é onde ela quiser” : caminhos cartográficos de mulheres na pesquisa em saúde. aúde m edes, 8(sup2), 157–170. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2022v8nsup2p157-170

Edição

Seção

Relato de Experiência