Terapia familiar: contribuições a prática clínica em saúde mental

Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos

Resumo


Introdução: A família é um complexo sistema de organização social e emocional, que possui crenças, valores e experiências vivenciadas em plena subjetividade afetiva. A terapia familiar pode ser utilizada na prática clínica de saúde mental ao suscitar transformações nas relações intersubjetivas e afetivas dos membros e promover a construção de significados em suas relações estabelecidas no cotidiano. Objetivo: Apresentar as contribuições da terapia familiar a prática clínica da saúde mental. Método: Revisão de literatura realizada na Biblioteca Virtual de Saúde, no período de julho a agosto de 2019, utilizando-se como descritores os termos terapia familiar, saúde mental, testes psicológicos, escalas de graduação psiquiátrica e protocolos. Esta busca permitiu obter-se nove publicações que foram lidas e analisadas minunciosamente. Conclusões: A terapia familiar contribui para prática clínica em saúde mental por promover estratégias de enfrentamentos aos conflitos familiares, focados na solução dos problemas. Assim, os membros familiares aceitam, compreendem e são apoiados emocional e socialmente ao interagirem com um dos membros em sofrimento psíquico.


Palavras-chave


Saúde Mental; Terapia Familiar; Família.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Minuchin P. Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Development. 1985; 56(2):289-302.

Braun LM, Dellazzana-Zanon LL, Halpern SC. A família do usuário de drogas no CAPS: um relato de experiência. Revista da SPAGESP. 2014; 15(2):122-144.

Faco VMG, Melchior LE. Conceito de família: adolescentes de zonas rural e urbana. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

Fernandes ACZ. Terapia psicanalítica familiar: um estudo investigativo sobre o processo terapêutico de casos atendidos por estudantes de psicologia em um serviço-escola. 2015. 164 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2015.

Grando LH, Rolim MA. Família e transtornos alimentares: as representações dos profissionais de enfermagem de uma instituição universitária de atenção à saúde mental. Revista Latino-americana de Enfermagem. 2005; 3(6):989-995.

Seibel BL et al. Rede de apoio social e funcionamento familiar: estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando Famílias. 2017; 21(1):120-136.

Gomes LB et al. As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando Famílias. 2014; 18(2):3-16.

Melo VAA, Ribeiro MA. Epistemologias sistêmicas e suas repercussões para a clínica da terapia familiar. Pensando Famílias. 2016; 20(2):149-161.

Doricci GC, Crovador LF, Martins PS. O especialista relacional na terapia familiar de fundamentação epistemológica construcionista social. Nova Perspectiva Sistêmica. 2017; 26(59):37-51.

Carneiro TF. Terapia familiar: das divergências as possibilidades de articulação dos diferentes enfoques. Psicologia, ciência e profissão. 1996; 16(1):38-42.

Esteves de Vasconcellos MJ. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, SP: Papirus, 2002.

Rasera EF, Martins PPS. Aproximações possíveis da terapia focada na solução aos contextos grupais. Psicologia; ciência e profissão. 2013; 33(2):318-335.

Labs MS, Grandesso M. Processos reflexivos: ampliando possibilidades para terapeutas que atendem sem equipe. Nova Perspectiva Sistêmica. 2017; 26(58):98-113.

Fonseca, KS. Atendimento Familiar. Brasília: Unyleya, 2017.

Tholl F, Beiras A. Terapia familiar com crianças: a importância da interlocução teórico-prática para a superação dos desafios no processo de formação do terapeuta. Rev. Nova Perspectiva Sistêmica. 2017; 26(58):86-97.

Shimoguiri AFDT, Serralvo FS. A importância da abordagem familiar na atenção psicossocial: um relato de experiência. Rev. Nova Perspectiva Sistêmica. 2017; 26(57):69-84.

Campos FAAC, Feitosa FB. Protocolo de diagnóstico da depressão em adulto (PDDA). 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Rother ET. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. 2007; 20(2):v-vi.

Felício JL, Almeida DV. Abordagem terapêutica às famílias na reabilitação de pacientes internados em hospital psiquiátricos: um relato de experiência. O Mundo da Saúde. 2008; 32(2):248-253.

Henz LF, Leite MB. As marcas da violência sexual infantil e alternativas de tratamento. Thèse de Portugais. 2013; 614(81):1-20.

Neves AS, Omena N de. A clínica de família no centro de atenção psicossocial III: psicose e configurações vinculares. Revista do NESME. 2016; 13(1):65-80.

Souza FGM, Figueiredo MCA, Erdmann AL. Instrumentos para avaliação e intervenção na família: um estudo descritivo. Revista de Pesquisa em Saúde. 2010; 1(11):60-63.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2462g516

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS