A construção de um Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental

Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos

Resumo


Objetivo: Narrar a construção de um Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental. Método: Para a construção deste protocolo, foi necessário cumprir duas etapas: 1° Revisão de literatura e 2° (sua) confecção. Resultados: Criação do Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental, versão 1 (PRTF-SM1), bem como a apresentação de orientações para o seu uso pelos profissionais da área. Conclusões: Este trabalho demostrou que é possível construir um protocolo para acompanhar famílias em sofrimento psíquico, nos serviços de saúde mental. Todavia, é necessário validá-lo quanto à sua eficiência, operatividade e praticidade.


Palavras-chave


Terapia Familiar; Saúde Mental; Escalas de Graduação Psiquiátrica.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Minuchin P. Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Dev. 1985; 56(2):289-302.

Fonseca KS. Atendimento Familiar. Brasília: Unyleya, 2017.

Melo VAA, Ribeiro MA. Epistemologias sistêmicas e suas repercussões para a clínica da terapia familiar. Pensando Fam. 2016; 20(2):149-161.

Gomes LB, Bolze SDA, Bueno RK, Crepaldi MA. As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando Fam. 2014; 18(2):3-16.

Shimoguiri AFDT, Serralvo FS. A importância da abordagem familiar na atenção psicossocial: um relato de experiência. Nova Perspec. Sistêm. 2017; 26(57):69-84.

Campos FAAC, Feitosa FB. Protocolo de diagnóstico da depressão em adulto (PDDA). 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

Gubert FDA, Santos DADS, Pinheiro MTM, Brito LLMDS, Pinheiro SRCS, Martins MC. Protocolo de enfermagem para consulta de puericultura. Rev. RENE. 2015; 16(1):81-89.

Guedes D, Feitosa FB, Campos FAAC. A construção do protocolo de enfermagem para operacionalizar o processo de enfermagem em Saúde Mental. Saúde Redes. 2019; 5(1):163-179.

Grando LH, Rolim MA. Família e transtornos alimentares: as representações dos profissionais de enfermagem de uma instituição universitária de atenção à saúde mental. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2005; 3(6):989-995.

Campos FAAC. Terapia familiar: contribuições a prática clínica em saúde mental. Saúde Redes. 2020; 6(2):115-¬126.

Townsend MC. Enfermagem psiquiátrica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

Braun LM, Dellazzana-Zanon LL, Halpern SC. A família do usuário de drogas no CAPS: um relato de experiência. Rev. SPAGESP. 2014; 15(2):122-144.

Felício JL, Almeida DV. Abordagem terapêutica às famílias na reabilitação de pacientes internados em hospital psiquiátricos: um relato de experiência. Mundo Saúde. 2008; 32(2):248-253.

Henz LF, Leite MB. As marcas da violência sexual infantil e alternativas de tratamento. Thèse Portugal. 2013; 614(81):1-20.

Neves AS, Omena N. A clínica de família no centro de atenção psicossocial III: psicose e configurações vinculares. Rev. NESME. 2016; 13(1):65-80.

Rasera EF, Martins PPS. Aproximações possíveis da terapia focada na solução aos contextos grupais. Psicol., Ciênc. Prof. 2013; 33(2):318-335.

Seibel BL, Falceto OG, Hollist CS, Springer PR, Fernandes CLC, Koller SH. Rede de apoio social e funcionamento familiar: estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando Fam. 2017; 21(1):120-136.

Souza FGM, Figueiredo MCA, Erdmann AL. Instrumentos para avaliação e intervenção na família: um estudo descritivo. Rev. Pesq. Saúde. 2010; 1(11):60-63.

Fernandes ACZ. Terapia psicanalítica familiar: um estudo investigativo sobre o processo terapêutico de casos atendidos por estudantes de psicologia em um serviço-escola. São Paulo: Universidade Estadual de São Paulo, 2015.

Oliveira IC. Caracterização das queixas de saúde mental e ações dos profissionais da ESF em uma UBS de Itajaí. Saúde Transform. Soc. 2015; 6(3):16-25.

Souza ML, Prado ML, Sasso TMD, Martins CR, Monticelli M. A inovação tecnológica e o cuidado de enfermagem. Temperamentvm. 2010; 11. Disponível em: http://www.index-f.com/temperamentum/tn11/t7172p.php

Campos FAAC, Benício AC, Lira CAS. Grupo Terapêutico Narrativa e Identidades: um relato de experiência em saúde mental. In: Anais do 19º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem (CBCENF); 18-21 out 2016. Cuiabá (MG): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), 2016.

Penha JRL, Fernandes FA, Oliveira CC, Oliveira RD, Barros EF. Validação e utilização de novas tecnologias na saúde e educação: uma revisão integrativa. Rev. Interdisc. Promoção Saúde. 2018; 1(3): 199-206.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3174g654

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS