A construção de um Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental

Autores

  • Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p189-204

Palavras-chave:

Terapia Familiar, Saúde Mental, Escalas de Graduação Psiquiátrica.

Resumo

Objetivo: Narrar a construção de um Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental. Método: Para a construção deste protocolo, foi necessário cumprir duas etapas: 1° Revisão de literatura e 2° (sua) confecção. Resultados: Criação do Protocolo de Registro em Terapia Familiar para Saúde Mental, versão 1 (PRTF-SM1), bem como a apresentação de orientações para o seu uso pelos profissionais da área. Conclusões: Este trabalho demostrou que é possível construir um protocolo para acompanhar famílias em sofrimento psíquico, nos serviços de saúde mental. Todavia, é necessário validá-lo quanto à sua eficiência, operatividade e praticidade.

Biografia do Autor

Fagner Alfredo Ardisson Cirino Campos, Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Especialista em Gestão de Pessoas pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Especialista em Gestão em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialista em Terapia Familiar pela Faculdade Unyleya (UNYLEYA). Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Luterana do Brasil (CEULJI/ULBRA). Possui título de Enfermagem em Saúde Mental reconhecido pelo Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Experiência em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental, com ênfase em Gestão e Pesquisa, Consulta e Intervenções de Enfermagem, Grupoterapia e Treinamento das Habilidades Sociais, Terapia Familiar, Reabilitação Psicossocial de Pacientes com Transtornos Mentais Graves e Persistentes e Práticas Integrativas. Responsável pela criação da tecnologia leve-dura denominada de Protocolo de Diagnóstico da Depressão em Adulto (PDDA).

Referências

Minuchin P. Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Dev. 1985; 56(2):289-302.

Fonseca KS. Atendimento Familiar. Brasília: Unyleya, 2017.

Melo VAA, Ribeiro MA. Epistemologias sistêmicas e suas repercussões para a clínica da terapia familiar. Pensando Fam. 2016; 20(2):149-161.

Gomes LB, Bolze SDA, Bueno RK, Crepaldi MA. As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Pensando Fam. 2014; 18(2):3-16.

Shimoguiri AFDT, Serralvo FS. A importância da abordagem familiar na atenção psicossocial: um relato de experiência. Nova Perspec. Sistêm. 2017; 26(57):69-84.

Campos FAAC, Feitosa FB. Protocolo de diagnóstico da depressão em adulto (PDDA). 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

Gubert FDA, Santos DADS, Pinheiro MTM, Brito LLMDS, Pinheiro SRCS, Martins MC. Protocolo de enfermagem para consulta de puericultura. Rev. RENE. 2015; 16(1):81-89.

Guedes D, Feitosa FB, Campos FAAC. A construção do protocolo de enfermagem para operacionalizar o processo de enfermagem em Saúde Mental. Saúde Redes. 2019; 5(1):163-179.

Grando LH, Rolim MA. Família e transtornos alimentares: as representações dos profissionais de enfermagem de uma instituição universitária de atenção à saúde mental. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2005; 3(6):989-995.

Campos FAAC. Terapia familiar: contribuições a prática clínica em saúde mental. Saúde Redes. 2020; 6(2):115-¬126.

Townsend MC. Enfermagem psiquiátrica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

Braun LM, Dellazzana-Zanon LL, Halpern SC. A família do usuário de drogas no CAPS: um relato de experiência. Rev. SPAGESP. 2014; 15(2):122-144.

Felício JL, Almeida DV. Abordagem terapêutica às famílias na reabilitação de pacientes internados em hospital psiquiátricos: um relato de experiência. Mundo Saúde. 2008; 32(2):248-253.

Henz LF, Leite MB. As marcas da violência sexual infantil e alternativas de tratamento. Thèse Portugal. 2013; 614(81):1-20.

Neves AS, Omena N. A clínica de família no centro de atenção psicossocial III: psicose e configurações vinculares. Rev. NESME. 2016; 13(1):65-80.

Rasera EF, Martins PPS. Aproximações possíveis da terapia focada na solução aos contextos grupais. Psicol., Ciênc. Prof. 2013; 33(2):318-335.

Seibel BL, Falceto OG, Hollist CS, Springer PR, Fernandes CLC, Koller SH. Rede de apoio social e funcionamento familiar: estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando Fam. 2017; 21(1):120-136.

Souza FGM, Figueiredo MCA, Erdmann AL. Instrumentos para avaliação e intervenção na família: um estudo descritivo. Rev. Pesq. Saúde. 2010; 1(11):60-63.

Fernandes ACZ. Terapia psicanalítica familiar: um estudo investigativo sobre o processo terapêutico de casos atendidos por estudantes de psicologia em um serviço-escola. São Paulo: Universidade Estadual de São Paulo, 2015.

Oliveira IC. Caracterização das queixas de saúde mental e ações dos profissionais da ESF em uma UBS de Itajaí. Saúde Transform. Soc. 2015; 6(3):16-25.

Souza ML, Prado ML, Sasso TMD, Martins CR, Monticelli M. A inovação tecnológica e o cuidado de enfermagem. Temperamentvm. 2010; 11. Disponível em: http://www.index-f.com/temperamentum/tn11/t7172p.php

Campos FAAC, Benício AC, Lira CAS. Grupo Terapêutico Narrativa e Identidades: um relato de experiência em saúde mental. In: Anais do 19º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem (CBCENF); 18-21 out 2016. Cuiabá (MG): Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), 2016.

Penha JRL, Fernandes FA, Oliveira CC, Oliveira RD, Barros EF. Validação e utilização de novas tecnologias na saúde e educação: uma revisão integrativa. Rev. Interdisc. Promoção Saúde. 2018; 1(3): 199-206.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Edição

Seção

Artigos Originais