Cobertura vacinal de brasileiros e migrantes venezuelanos menores de 2 anos de idade na região fronteiriça do Extremo Norte do Brasil

Tárcia Almeida Barreto, Lanna Jennifer Rodrigues Silva, Francilene Santos Rodrigues, Georgia Patrícia Silva Ferko, Paulo Sérgio Silva, Fabrício Barreto

Resumo


O estudo objetivou analisar a cobertura vacinal (CV) dos nacionais e migrantes venezuelanos menores de 2 anos de idade em uma região de fronteira, no período de janeiro a dezembro de 2018. Utilizando-se de metodologia quantitativa, transversal do tipo descritiva, a partir de dados secundários públicos. Entre os resultados observou-se que as CVs foram superiores ao preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), demonstrando o aumento de doses aplicadas no período, sendo que o rotavírus humano alcançou cobertura total de 160,67%, a pneumocócica 10 e vacina injetável contra a poliomielite obtiveram, entre os venezuelanos, respectivamente os valores 287,92%, 72.47% (n=258), 150,84% 91 (n=16). A vacina febre amarela alcançou cobertura de 147,19% (n=694) e a tríplice viral (dose 1) obteve CV total de 328,09%. Frisa-se que nesse período foram realizadas ações de bloqueio como estratégia de combate ao surto de sarampo registrado em 2018. No que se refere à taxa de abandono observou-se que todas as vacinas alcançaram valores maiores que o referencial (≥10%) para alto risco, entre os migrantes venezuelanos, já entre os brasileiros os valores de referência foram todos negativos. Os dados obtidos neste estudo nos permitiram identificar uma cobertura vacinal exorbitante no município, relacionada ao processo migratório dos venezuelanos para o Brasil, no entanto evidenciou também uma fragilidade no sistema de registro dos vacinados, de forma que a falta da informação nacionalidade não permite obter a cobertura vacinal da população estimada para o município, dificultando os processos de planejamento tanto para aquisição de imunobiológicos e insumos, quanto para as estratégias de manutenção dos indicadores.


Palavras-chave


Cobertura vacinal; Migração Humana; Imigração; Programa Nacional de Imunização.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Brasil. Programa Nacional de Imunização – 30 anos. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde; 2003.

Fundação Nacional de Saúde. Manual de procedimento para vacinação. Brasília, DF, 1993.

Teixeira, MS; Rocha, CMV. Vigilância das coberturas de vacinação: uma metodologia para detecção e intervenção em situações de risco. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 19 (3): 217-226, jul.-set. 2010.

Yokokura, A. V. C. P. Cobertura vacinal e fatores associados ao esquema vacinal básico incompleto aos 12 meses de idade, São Luís, Maranhão, Brasil, 2006. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29 (3): 522-534, mar., 2013.

Moraes J. C.; Barata R. C., Ribeiro M. C. S. A. Desigualdades sociais e cobertura vacinal: uso de inquéritos domiciliares. Rev. Bras. Epidemiol 2008; 11 (supl. 1): 113-24.

Silva, B.S. et al. Evaluation study of the National Immunization Program Information System. Rev. Bras. Enferm., Brasília , v. 71, supl. 1, p. 615-624, 2018. Available from . Access on 15 Oct. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0601

dos Santos, F. V. A. inclusão dos migrantes internacionais nas políticas do sistema de saúde brasileiro: o caso dos haitianos no Amazonas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, abr.-jun. 2016, p. 477-494.

Gerhardt, T.; Silveira, D. (org.). Métodos de pesquisa. UAB/SEAD, UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

Richardson, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. - 3. ed. – 16. Reimpr. – São Paulo: Atlas, 2015. 335 p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). Base de dados por município das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/15761-areas-dos-municipios.html?c=1400456&t=destaques. Acessado em 17 de julho de 2019 às 9h e 44min.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). População no último censo 2010. Disponível em:< https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rr/boa-vista/panorama>. 2019. Acesso: 15 de jan. 2019.

Costa, T. M. A. Saúde e Migração: ensaio reflexivo da migração Venezuela em Roraima. Mundorama – Revista de Divulgação Científica em Relações Internacionais, Brasília, 13 set., 2017. Disponível em: . Acesso em 17 jul. 2019.

Benedetti, Maria Soledade Garcia (Org.). Relatório Anual de Epidemiologia de Roraima 2018. Secretaria de Saúde do Estado de Roraima, 2019.

Sadeck, L. S. Recomendações e atualização de Condutas em Pediatria. Sociedade de Pediatria de São Paulo. Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009, nº 39.

Brasil. Calendário Nacional de Vacinação. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao. Acesso em: 13/08/2019.

Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Países das Américas devem tomar medidas para manter a pólio fora da Região. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_joomlabook&view=topic&id=257 Acesso em: 12/08/2019.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Organização Mundial de Saúde. Regulamento Sanitário Internacional (RSI) – 2005. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/375992/4011173/Regulamento+Sanit%C3%A1rio+Internacional.pdf/42356bf1-8b68-424f-b043-ffe0da5fb7e5. Acesso em: 12/08/2019.

Ministério da Saúde (BR). Informe nº 02/2017/2018: Monitoramento do Período Sazonal da Febre Amarela Brasil – 2017/2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. [citado em 07 de julho de 2020]. 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/fevereiro/21/Informe-n14-FA-20fev18-c.pdf.

Nora, T. T. D.; Paz, A. A.; Linch, G. F. C.; Pelegrini, A. H. W.; Wachter, M. Z. D. Situação da cobertura vacinal de imunobiológicos no período de 2009-2014. Rev. Enferm. UFSM, 2016, out./dez.; 6 (4): 482-493.

Benedetti, Maria Soledade Garcia (Org.). Relatório Anual de Epidemiologia de Roraima 2018. Secretaria de Saúde do Estado de Roraima, 2019.

Coordenação geral do programa nacional de imunizações. Ministério da Saúde. Informe técnico campanha nacional de vacinação contra a poliomielite e contra o sarampo. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/06/Informe-Campanha-Polio-e-Sarampo-04-07-2018-final-CGPNI.pdf. Acesso em: 12/08/2019.

Ozouni, L. et al. Immunization coverage among refugee children in Belin. Journal of health global. Vol. 9, No. 1, Junho, 2019.

da Fonseca, K. R. Análise Situacional do Programa de Imunizações no Estado de Roraima: Cumprimento do Calendário Básico de Vacinação no Período de 2013 a 2017 / Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Roraima, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde – PROCISA.

Bordim. M. C. H. Avaliação do Desempenho do PNI (Programa Nacional de Imunização) no Estado de São Paulo no ano de 2011 no cumprimento do esquema básico de imunização. Monografia (Especialização) – Curso de Enfermagem, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, 2013.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.2780g777

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS