AS CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA JUNTO À EQUIPE DE SAÚDE DIANTE DA MORTE, LUTO E PERDAS DE SEUS PACIENTES

Camila Cristina Lescano Ortiz, Elenita Sureke Abilio, Fernando Augusto Gomes Sobreira

Resumo


A morte desencadeia diversas reações e resistência para ser discutida. Há um processo de negação que envolve as várias formas de enfrenta-la. O ser humano não está preparado para lidar com tal acontecimento, pois há um estigma social que permeia a sua conceituação. Quando se trata de uma equipe de saúde que lida diariamente com este fato, acaba gerando sentimentos ambivalentes, prejudicando e interferindo em questões emocionais importantes. O tema foi escolhido por envolver o sofrimento psíquico e o adoecimento da equipe de saúde, o que desperta o interesse dos autores, já que estes trabalham com a promoção da saúde do outro e prejudicam a sua própria. A abordagem utilizada nesta pesquisa é classificada como qualitativa exploratória e de referencial bibliográfico. Tendo como objetivo pesquisar sobre as contribuições da atuação do Psicólogo Hospitalar no suporte a equipe de saúde frente às situações de morte, visando contribuir e promover situações que possam auxiliar o profissional na elaboração do processo de luto, propiciando a continências das emoções que são suscitadas na equipe de saúde, através dos grupos Balint e de reflexão. O Psicólogo Hospitalar deve promover espaços dialógicos onde os profissionais de saúde possam refletir sobre suas próprias emoções e sentimentos proporcionando uma relação mais humana entre médico­/paciente, familiar­/paciente, familiar e equipe de saúde e suscitar outras discussões conceituais de temas como saúde, doença, morte, morrer, luto e perdas.

Palavras-chave


Psicologia; Equipe de Saúde; Morte

Texto completo:

PDF

Referências


Freud SS. Reflexões para os tempos de guerra e morte (1915). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

Lima G. Contribuições da tanatologia no processo de morrer. Revista de Psicologia de IMED, vol.1, n.2, 220-230, 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2015.

Oliveira MLA. ANCHIETA, Viviane, L. P. Manifestações psíquicas dos estudantes em conclusão do curso de medicina diante da perda do primeiro paciente. Psicópio: Revista Virtual de Psicologia Hospitalar e da Saúde, Belo Horizonte, a.2, n.3, j an.- jul. 2006. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

Godoy AS. A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 4, p.65-71, jul./ago. 1995.

Koury MGP. Sociologia da emoção: o Brasil urbano sob a ótica do luto. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

Filho JM. (Org.). Psicossomática hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 2010.

Pitta A. Hospital: dor e morte como oficio. 3ed. São Paulo. 1994

Mendes JA, Lustosa MA, Andrade MCM. Paciente terminal, família e equipe de saúde. Rev. SBPH [online]. 2009, vol.12, n.1, pp. 151-173. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582009000100011> Acesso em: 13 maio 2015.

Flauzino CJ. O que acontece no encontro do médico com a morte de seu paciente. 2012- Dissertação (Mestrado- Programa de Pós- graduação em Psicologia. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-26102012-104329/pt-br.php> Acesso em: 02 nov. 2015.

Pagliari J, Collet N, Oliveira BRG, Viera CS. Sofrimento psíquico da equipe de enfermagem na assistência à criança hospitalizada. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008;10(1):63-76. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2015

Shimizu HE. Como os trabalhadores de enfermagem enfrentam o processo de morrer. Rev. Bras Enferm, Brasília, v.60, n.3, p.257-262, mai/jun 2007. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2015.

Costa MSV. Contribuição da psicoterapia breve no enfretamento do luto materno. 2012. Disponível em: . Acesso: 05 out 2015. In: HAMILTON, V. The concept of mourning and its roots in infancy. Psychoanalytic Psychotherapy, v.3, p. 191-209, 1988.

Salto MCE. O psicólogo no contexto hospitalar: uma visão psicodramática. Disponível em: Acesso em: 08 maio 2015.

Angerami-Camon VA, Trucharte FAR et al. Psicologia Hospitalar: Teoria e Prática. 2 ed. Revista e ampliada. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

Kovács MJ. Instituições de saúde e a morte: do interdito à comunicação. Psicologia: ciência e profissão. Disponível em: http:www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414¬98932011000300005. Acesso em: 05/09/2015.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n3p273-280

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n3.686g109

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS