OS PONTOS DE AGLUTINAÇÃO ENTRE A PSICOLOGIA E A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO

Fernando Augusto Gomes Sobreira, Elenita Sureke Abilio, Camila Cristina Lescano Ortiz

Resumo


A Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do Sistema Único de Saúde – HumanizaSUS, surge para humanizar as relações no âmbito da saúde e reafirmar os princípios e diretrizes do SUS. Dessa forma a Política Nacional de Humanização se consolida como uma política transversal, passando a colocar os saberes e práticas em saúde no mesmo plano comunicacional. É nessa aglutinação dessa política com o Sistema Único de Saúde que a tríade universalidade, integralidade e equidade é fortalecida em busca de um sistema de saúde humanizado e democrático. Partindo dos objetivos das políticas de saúde, principalmente do HumanizaSUS, que preconiza a produção de vida, desenvolvimento de relações humanizadas, uma oferta de saúde democrática e equânime, é que se constitui as possibilidades de atuação da Psicologia, de forma a contribuir para a construção de espaços que favoreçam o desenvolvimento dos objetivos que são traçados, dado que é uma ciência que estuda o comportamento humano, que se constitui pela sua singularidade e subjetividade. É partindo dessas premissas que o presente trabalho se delineia, buscando compreender as interfaces existentes entre a Psicologia e o HumanizaSUS.

Palavras-chave


Psicologia; Política Nacional de Humanização; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Abilio ES [et al]. A Política de humanização em Mato Grosso do Sul: processos de construção primeiros resultados e desafios atuais. In: DOBASHI, Beatriz F. Tecendo redes na saúde para ampliar o cuidado. Campo Grande – MS; 2010.

Paim JS. O que é o SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2009.

Brasil. Constituição Da República Federativa Do Brasil De 1988. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. 1990. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Organização Mundial da Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde. 1946. In: Biblioteca Virtual De Direitos Humanos Da Universidade De São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Spink MJP. Psicologia social e saúde: práticas, saberes e sentidos. Petrópolis: Vozes; 2013.

Bock AMB. Psicologia e Políticas públicas. CRP/04. 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Passos E. Outro humanismo e os desafios da equidade na produção de saúde e sustentabilidade do SUS. 2009. In: 2º Seminário Nacional de Humanização. 2009. Disponível em: < http://www.sispnh.com.br/anais/eixo1_part1.asp>. Acesso em: 23 jun 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília: Editora Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Benevides R. A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces? Porto Alegre, 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Ribeiro JCS, Dacal MPO. A instituição e as práticas psicológicas no contexto da Saúde Pública: notas para reflexão. Rev. SBPH, Rio de Janeiro – Jul./Dez. – 2012; 15(02). Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.

Teixeira RR. Agenciamentos tecnosemiológicos e produção de subjetividade: contribuição para o debate sobre a trans-formação do sujeito na saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2011;6(1):49-61.

Rey FG. Subjetividade e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez; 2011.

Romero NS & Pereira-Silva NL. O PSICÓLOGO NO PROCESSO DE INTERVENÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO. Psicologia & Sociedade, 2011;23(2):332-339.

Cardoso CL. A inserção do psicólogo no Programa de Saúde da Família. 2002. In: Couto LLM, Schimith PB, Dalbello-Araujo M. Psicologia em ação no SUS: a interdisciplinaridade posta à prova. Psicologia: Ciência E Profissão, 2013;33(2).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 jun 2016.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n2p227-233

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n2.687g98

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS