Atuação fonoaudiológica na gestão de políticas públicas - Ênfase na Reabilitação Auditiva

Bruna Mauer Lopes, Marcia Falcao Fabricio, Cristiane Schuller, Claudia Veras, Andrea Wander Bonamigo

Resumo


Objetivo: Este estudo objetivou relatar a prática de uma graduanda em Fonoaudiologia em estágio extracurricular na gestão de políticas públicas e destacar os resultados dessa experiência. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo na forma de relato de experiência da vivência de um estágio extracurricular realizado no setor de Saúde da Pessoa com Deficiência da Secretaria Estadual da Saúde de um estado do sul do país. Resultados: Elaboração do Guia de Serviços e do Plano Estadual Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência possibilitando compreender o funcionamento da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência, desde o seu objetivo, população atendida, até a organização do acesso e a regulação destes usuários. Conclusões: Conhecimento da Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência e ampliação da visão crítica sobre as políticas em saúde.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


- CREFONO 7 (Rio Grande do Sul). Conselho Regional de Fonoaudiologia. 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2017.

- BRASIL. Ministério da Saúde. SUS Instrumento de Gestão em Saúde. 2002. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2017.

- RIO GRANDE DO SUL. SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE. Guia de Serviços do SUS para pessoas com deficiências. 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2017.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº. 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html>. Acesso em: 15 fev. 2017.

- LYSAKOWSKI, S.; CAREGNATO, R. C. A.; SUDBRACK, A.W. O Contexto do Ensino na Saúde no Brasil: da Origem à Atualidade. In: ALMEIDA, A. N.; CAREGNATO, R. C. A. (Org.). Ensino na Saúde: desafios contemporâneos na integração ensino e serviço. Porto Alegre: Moriá, 2016. Cap. 7. p. 121-136.

- MEDEIROS, V. C.; PERES, A. M. Atividades de formação do enfermeiro no âmbito da atenção básica à saúde. Texto & Contexto - Enfermagem, v. 20, p. 27-35, 2011. ISSN 0104-0707.

- NASR, A. et al. Estágio voluntário em pronto socorro: instrumento para a formação médica de qualidade. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 39, p. 340-343, 2012. ISSN 0100-6991.

- NASCIMENTO, D. T. et al. Avaliação dos estágios extracurriculares de medicina em unidade de terapia intensiva adulto. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 20, p. 355-361, 2008. ISSN 0103-507X.

- BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Fonoaudiologia. 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2017.

- HAMAMOTO FILHO, P. T. Ligas Acadêmicas: motivações e críticas a propósito de um repensar necessário. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, p. 535-543, 2011. ISSN 0100-5502.

- LEMOS, M.; ROCHA, M. N. D.; PEIXOTO, M. V. S. Estágio de vivência no SUS-BA: estratégia de reorientação da formação profissional em saúde. Revista Bahiana de Saúde Pública, Bahia, v. 36, p.263-269, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2017.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal. Brasília. 2002

– CANÔNICO, R. P.; BRÊTAS, A. C. P. Significado do Programa Vivência e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde para formação profissional na área de saúde. Acta Paulista de Enfermagem, v. 21, p. 256-261, 2008. ISSN 0103-2100.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p143-152

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2226g376

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS