Integração ensino-serviço em Psicologia e sua efetividade: uma revisão integrativa

Adriana Reis Do Nascimento, Luiza Maria de Oliveira Braga Silveira, Andrea Wander Bonamigo

Resumo


Objetiva-se analisar a produção científica sobre a efetiva integração ensino-serviço em Psicologia e os fatores associados. Utilizamos os seguintes descritores "integração”, “ensino-serviço” e “psicologia", na Plataforma Capes, Scielo, BVS- Lilacs. A coleta dos dados ocorreu em outubro de 2016. Dos 72 artigos encontrados, foram selecionadas 20 produções que se aproximaram da proposta investigativa, acerca da interface ensino-serviço em psicologia e sua relação com as Políticas de Educação em Saúde. A análise dos artigos seguiu a categorização em três eixos temáticos sobre os quais as produções versam, que foram: "Práticas Colaborativas", "Mudanças no Currículo" e "Práticas Alinhadas com as Políticas de Saúde", indicando que estes seriam possíveis indicadores da qualidade na integração ensino-serviço. Os resultados também apontaram para uma aproximação entre técnicas, política e teoria, com uma maior ênfase para o trabalho multidisciplinar com ganho para o usuário através de uma construção coletiva e de modelos efetivos para o usuário.


Palavras-chave


Integração; Ensino-Serviço; Psicologia.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Pitombeira DF, Xavier AS, Barroso REC, de Oliveira PRS. Psicologia e a formação para a saúde: experiências formativas e transformações curriculares em debate. Psicologia: Ciência e Profissão; 2016; v. 36, n. 2: p. 280-291.

Silva VO, Santana PMMA. Conteúdos curriculares e o Sistema Único de Saúde (SUS): categorias analíticas, lacunas e desafios. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2014; v. 19: p. 121-132.

Dimenstein, M. A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de psicologia; 2000; v. 5, n. 1: p. 95-121.

Conselho Federal de Psicologia. Senhoras e senhores gestores da saúde, como a psicologia pode contribuir para o avanço do SUS; 2011.

Franco A, Mota E. Distribuição e atuação dos psicólogos na rede de unidades públicas de saúde no Brasil; Psicologia: ciência e profissão; 2003, v. 23, n. 3: p. 50-59.

Vieira LM, Sgavioli CDAP, Simionato EMRS, Inoue ESY, Heubel MTCD, Conti MHSD, et al. Formação profissional e integração com a rede básica de saúde. Trabalho, Educação e Saúde; 2016, v. 14, n. 1: p. 293-304.

DE Souza CTV, Da HORA DL. Produção de conhecimento em saúde na pesquisa clínica: contribuições teórico-práticas para a formação do docente. Revista Brasileira de Pós-Graduação; 2015, v. 11, n. 26.

Alverga AR, Dimenstein M. Psychiatric reform and the challenges posed by deinstitutionalization. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2006, v. 10, n. 20, p. 299-316.

Macedo JP, Dimeinstein M. Expansão e interiorização da Psicologia: reorganização dos saberes e poderes na atualidade. Psicologia: ciência e profissão; 2011, v. 31, n. 2, p. 296-313.

Ferreira JR, Haddad AE, Brenelli SL, Cury GC, Puccini RF, Martins MDA, et al. Pró-Saúde e PET-Saúde: experiências exitosas de integração ensino-serviço. Rev. bras. educ. méd.; 2012, v. 36, n. 1: p. 3-4.

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP; 2014, v. 48, n. 2: p. 335-345.

Educação GA. Manual Revisão Bibliográfica Sistemática Integrativa: a pesquisa baseada em evidências. Belo Horizonte: Grupo Anima Educação, 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições, 2011, v. 70: p. 225.

Caregnato RCA, Mutti R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto contexto enferm.; 2006, v. 15, n. 4: p. 679-84.

Gonçalves RDCR, Gonçalves LG, Covre L, Lazarini WS, Dalbello-Araujo M. Nós em rede: vivências da parceria ensino-serviço produzidas pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: 903-912.

Vasconcelos, ACF, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra, os profissionais de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2016, v. 20: p. 147-158.

Conceição MR, Vicentin MCG, Leal BMML, Amaral MMD, Fischer AB, Kahhale EMP, Saes D. Interferências criativas na relação ensino-serviço: itinerários de um Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde). Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 845-855.

Saldanha OMDFL, Pereira ALB, Medeiros CRG, Dhein G, Koetz LCE, Schwertner SF, Ceccim RB. Clínica-escola: apoio institucional inovador às práticas de gestão e atenção na saúde como parte da integração ensino-serviço. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2014, v. 18: p. 1053-1062.

Batista SHSDS, Jansen B, Assis EQD, Senna MIB, Cury GC. Formação em Saúde: reflexões a partir dos Programas Pró-Saúde e PET-Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 743-752.

Gusmão RC, Ceccim RB, Drachler ML. Tematizar o impacto na educação pelo trabalho em saúde: abrir gavetas, enunciar perguntas, escrever. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 695-707.

Andrade SRD, Vidor AC, Ribeiro JC, Ribeiro CEP. Indicadores e Rede de Atenção: uma experiência do Programa de Educação pelo Trabalho em Vigilância em Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 913-922.

Kleba ME, Colliselli L, Dutra AT, Müller ES. Trilha interpretativa como estratégia de educação em saúde: potencial para o trabalho multiprofissional e intersetorial. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 20: p. 217-226.

Biscarde DGS, Pereira-Santos M, Silva LB. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2014, v. 18: p. 177-186.

Lima PAB, Rozendo CA. Desafios e possibilidades no exercício da preceptoria do Pró-Pet-Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 779-791.

Forte FDS, Morais HGDF, Rodrigues SAG, Santos JDS, Oliveira PFDA, Morais MDST, Carvalho MDFM. Educação interprofissional e o programa de educação pelo trabalho para a saúde/Rede Cegonha: potencializando mudanças na formação acadêmica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2016, v. 20, n. 58: 787-796.

Silva DLS, Knobloch F. A equipe enquanto lugar de formação: a educação permanente em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras drogas. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2016, v. 20, n. 57: p. 325-335.

Rosa RPFD, Andrade ALFD, Oliveira SPD, Silva AGLD, Ferreira AM, Inácio JDS, et al. Construindo saberes no trabalho em saúde mental: experiências de formação em saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 931-940.

Siqueira-Batista R, Gomes AP, Albuquerque VS, Cavalcanti FDOL, Cotta RMM. Educação e competências para o SUS: é possível pensar alternativas à (s) lógica (s) do capitalismo tardio?. Ciência & Saúde Coletiva; 2013, v. 18, p: 159-170.

Camara AMCS, Grosseman S, Pinho DLM. Educação interprofissional no Programa PET-Saúde: a percepção de tutores. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 817-829.

Domingos C.M, Nunes EDFPD, Carvalho BG. Potencialidades da Residência Multiprofissional em Saúde da Família: o olhar do trabalhador de saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19: p. 1221-1232.

Pereira SCL, Reis VDOM, Lanza CRM, Aleixo LMS, Vasconcelos MMDA. PET-Health monitors perceptions regarding their education and interdisciplinary teamwork. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2015, v. 19, p. 869-878.

Fonsêca GS, Junqueira SR. Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde da Universidade de São Paulo (campus capital): o olhar dos tutores. Ciência & Saúde Coletiva; 2014, v. 19: p. 1151-1162.

Reibnitz KS, Daussy MFDS, Silva CAJD, Reibnitz MT, Kloh D. Rede docente assistencial UFSC/SMS de Florianópolis: reflexos da implantação dos projetos Pró-Saúde I e II. Rev. bras. educ. méd.; 2012, v. 36, n. 1: p. 68-75.

Rocha FAA, Barreto ICHC, Moreira AEMM. Interprofessional collaboration: a case study between managers, teachers and family health professionals. Interface-Comunicação, Saúde, Educação; 2016, v. 20, n. 57: p. 415-426.

VILLA, E. A.; ARANHA, A. V. S.; SILVA, L. L. T.; FLÔR, C. R. As relações de poder no trabalho da Estratégia Saúde da Família Power relations in the work of Family Health Strategy SAÚDE DEBATE | Rio de Janeiro, v. 39, n. 107, P. 1044-1052, OUT-DEZ 2015.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2333g522

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS