A interface ensino-serviço na formação farmacêutica: revisão integrativa

Lucas Balsanelli Souza, Andréa Wander Bonamigo

Resumo


OBJETIVOS: Este artigo apresenta os resultados de uma revisão integrativa de literatura sobre integração ensino-serviço de acadêmicos de farmácia com o Sistema Único de Saúde, que buscou analisar as diferentes contribuições da integração ensino-serviço para o processo de formação do futuro profissional farmacêutico. FONTE DE DADOS: Pesquisaram-se publicações posteriores a 2002, nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), National Library of Medicine (PubMed) e Scientific Electronic Library Online (SciELO), utilizando como pergunta norteadora: “Quais as contribuições que as experiências vivenciadas no Sistema Único de Saúde trazem para o processo de formação de farmacêuticos?”. RESUMO DAS CONCLUSÕES: Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão nas 1.189 publicações encontradas, a amostra final incluiu 12 estudos. Os resultados mostraram as contribuições da integração ensino-serviço para a formação dos farmacêuticos, a importância das políticas interministeriais e o papel do Sistema Único de Saúde como cenário de prática no processo de formação. Conclui-se que a integração dos alunos de farmácia com os serviços públicos de saúde contribui para a formação de um profissional apto a responder aos desafios contemporâneos da saúde e capaz de incorporar uma visão mais aprofundada dos problemas sociais do País.


Palavras-chave


Educação em saúde; Educação em farmácia; Serviços de integração docente-assistencial; Sistema Único de Saúde

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Ceccim RB, Ferla AA. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trabalho, Educação e Saúde. 2008; 6:443-56.

Ceccim RB. A emergência da educação e ensino da saúde: interseções e intersetorialidades. Revista Ciência & Saúde. 2008; 1(1):9-23.

Brasil. Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde – Pró-Saúde: objetivos, implementação e desenvolvimento potencial. 1 ed. Saúde Md. Brasília, 2007. 86 p.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.300/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Farmácia e Odontologia, 2001.

Portaria Nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências, 2004.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2005; 10:975-86.

Portaria Interministerial nº 421, de 03 de março de 2010. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET Saúde) e dá outras providências. 2010.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cadernos de Saúde Pública. 2004; 20:1400-10.

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005; 52(5):546-53.

Souza MTd, Silva MDd, Carvalho Rd. Integrative review: what is it? How to do it? Einstein, São Paulo. 2010; 8:102-6.

Galassi MAS, Carvalho ACPd, Tortamano N, Melo JAJd, Spanó JCE, Barbin EL. Atividades extramuros como estratégia viável no processo ensino-aprendizagem. Rev ABENO. 2006; 6(1):66-9.

Costa EMdMB, Bara MTF, Garcia TA. Momentos de avaliação e movimentos de mudança em um curso de Farmácia. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior. 2013; 18(3):613-28.

Nicoline CB, Vieira RdCPA. Assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde (SUS): percepções de graduandos em Farmácia. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2011; 15:1127-44.

Oliveira IC, Cutolo LRA. Percepção dos Alunos dos Cursos de Graduação na Saúde sobre Integralidade. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39(2):208-17.

Silva RHAd, Miguel SS, Teixeira LS. Problematização como método ativo de ensino-aprendizagem: estudantes de farmácia em cenários de prática. Trabalho, Educação e Saúde. 2011; 9(1):77-93.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2004; 14:41-65.

Monteguti BR, Diehl EE. O ENSINO DE FARMÁCIA NO SUL DO BRASIL: PREPARANDO FARMACÊUTICOS PARA O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE? Trabalho, Educação e Saúde. 2016; 14:77-95.

Reibnitz KS, Daussy MFdS, Silva CAJd, Reibnitz MT, Kloh D. Rede docente assistencial UFSC/SMS de Florianópolis: reflexos da implantação dos projetos Pró-Saúde I e II. Revista Brasileira de Educação Médica. 2012; 36(1):68-75.

Rodrigues AÁAdO, Pereira HBdB, Souza ES. Rede pet saúde em Feira de Santana: o desafio da integralidade. Rev baiana saúde pública. 2012; 36(3).

Rosa RPFd, Andrade ALFd, Oliveira SPd, Silva AGLd, Ferreira AM, Inácio JdS, et al. Construindo saberes no trabalho em saúde mental: experiências de formação em saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19:931-40.

Vendruscolo C, Prado MLd, Kleba ME. Integração Ensino-Serviço no âmbito do Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21:2949-60.

Costa MVd, Patrício KP, Câmara AMCS, Azevedo GD, Batista SHSdS. Pró-Saúde e PET-Saúde como espaços de educação interprofissional. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015;19:709-20.

Vendruscolo C, Ferraz F, Prado MLd, Kleba ME, Reibnitz KS. Integração ensino-serviço e sua interface no contexto da reorientação da formação na saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2016;20:1015-25.

Vasconcelos ACFd, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra, os profissionais de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2016; 20:147-58.

Madruga LMdS, Ribeiro KSQS, Freitas CHSdM, Pérez IdAB, Pessoa TRRF, Brito GEGd. O PET-Saúde da Família e a formação de profissionais da saúde: a percepção de estudantes. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19:805-16.

Gonçalves RdCR, Gonçalves LG, Covre L, Lazarini WS, Dalbello-Araujo M. Nós em rede: vivências da parceria ensino-serviço produzidas pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19:903-12.

Santos MMd, Nétto OBdS, Pedrosa JIdS, Vilarinho LdS. PET-Saúde: uma experiência potencialmente transformadora no ensino de graduação. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19:893-901.

Pizzinato A, Gustavo AdS, Santos BRLd, Ojeda BS, Ferreira E, Thiesen FV, et al. A integração ensino-serviço como estratégia na formação profissional para o SUS. Revista Brasileira de Educação Médica. 2012; 36:170-7.

Emmi DT, Silva DMCd, Barroso RFF. Experiência do ensino integrado ao serviço para formação em Saúde: percepção de alunos e egressos de Odontologia. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2017; 22 (64):223-236.

Saturnino LTM, Modena CM, Luz ZP, Perini E. O Internato Rural na formação do profissional farmacêutico para a atuação no Sistema Único de Saúde. Ciênc saúde coletiva. 2011; 16(4):2303-10.

Saupe R, Budó MdLD. Pedagogia interdisciplinar: "educare" (educação e cuidado) como objeto fronteiriço em saúde. Texto & Contexto - Enfermagem. 2006; 15:326-33.

Nuto SdAS, Lima Júnior FCM, Camara AMCS, Gonçalves CBC. Avaliação da Disponibilidade para Aprendizagem Interprofissional de Estudantes de Ciências da Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica. 2017; 41(1):50-7.

Sousa IFd, Bastos PRHdO. INTERDISCIPLINARIDADE E FORMAÇÃO NA ÁREA DE FARMÁCIA. Trabalho, Educação e Saúde. 2016; 14(1):97-117.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Farmácia. Brasília: Diário Oficial da União; 2002.

BRASIL. Parecer CNE/CES nº 248/2017, aprovado em 7 de junho de 2017 - Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia.: Diário Oficial da União; 2017. p. 42.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p157-169

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n2.1712g289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS