AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO MÉDICA PARA A APS: PERCEPÇÕES DE EGRESSOS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA

Ana Carolina Souza Torres, Maria Vaudelice Mota, Maria do Socorro de Sousa, Sarah Maria Fraxe Pessoa, Maria Marlene Marques Ávila

Resumo


Esse estudo buscou avaliar a formação médica na perspectiva da Atenção Primária à Saúde (APS) com base nas percepções dos egressos do curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará, à luz das Diretrizes Curriculares Nacionais e dos eixos do Pró-Saúde. Pesquisa qualitativa, desenvolvida no período de setembro de 2015 a junho de 2016, na Rede de APS da cidade de Fortaleza-CE. Os informantes foram 10 médicos egressos do curso graduados entre 2003 e 2011. Realizou-se entrevistas semiestruturadas, transcritas e analisadas pela técnica da Análise Temática. A análise evidenciou  como fragilidades na formação: pedagogia tradicional dos docentes no módulo de Assistência Básica em Saúde (ABS); descontinuidade nas disciplinas de ABS em relação à inserção dos discentes no cenário de práticas da Estratégia Saúde da Família (ESF); poucos docentes e preceptores com especialização em Medicina de Família na condução do módulo; deficiente Integração Ensino-Serviço, ações de Educação Permanente  desconectadas das necessidades dos profissionais e da comunidade. Como potencialidades: a prática no território da ESF é potente transformadora da formação, e as vivências em cenários de práticas diversificados, propiciados sobretudo pelos projetos de extensão, PET-Saúde, e pelo movimento estudantil agregaram à formação competências para atuar na APS, capacidade crítico-reflexiva e alinhamento ao princípio da integralidade. Nossa pesquisa pode contribuir no processo de reflexão-ação visando aperfeiçoar o processo formativo de profissionais médicos para atuação na APS.

Palavras-chave


Educação Médica; Atenção Primária à Saúde; Educação Superior.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Vendruscolo C, Trindade LL, Krauzer IM, Prado ML. A inserção da universidade no quadrilátero da educação permanente em saúde: relato de experiência. Texto & Context Enferm. 2016;25(1):2-7.

Ceccim RB, Cyrino EG. Formação profissional em saúde e protagonismo dos estudantes: percursos na educação pelo trabalho. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2017.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 3/2014 nº 3 de 20 de junho de 2014. Institui Di¬retrizes Curriculares do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 23 jun. 2014; Seção 1, p. 8-11.

Varela DSS, Carvalho MMB, Barbosa MUF, Silva IZF, Gadelha RRM, Machado MFAS. Diretrizes curriculares nacionais e a formação de profissionais para o SUS. Rev Bras Educ Saúde. 2016;6(3):39-43.

Brasil. Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 2.101 de 3 de novembro de 2005. Institui o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação em Medicina, Enfermagem e Odontologia. Diário Oficial da União. Brasília, 3 nov. 2005; Seção 1, p. 111.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2015.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília, 13 jun. 2013; Seção 1, p. 59.

Xavier NF, Monteiro JCMS, Caldas CAM, Pires CAA. Pet-Saúde: o impacto do Programa na Formação do Profissional Médico. Rev Bras Ciênc Saúde. 2018;22(1):37-44.

Vasconcelos ACF, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra, os profissionais de saúde. Interface Comum Saúde Educ. 2016;20(56):147-58.

Sordi MRL, Mendes GSCV, Cyrino EG, Alexandre FLF, Manoel CM, Lopes CVM. Experiência de construção coletiva de instrumento autoavaliativo a serviço da formação médica referenciada nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) pautadas no Programa Mais Médicos. Interface Comum Saúde Educ. 2020;24:1-14.

Cruz KT, Merhy EE, Santos MFL, Gomes MPC. PET-Saúde: micropolítica, formação e o trabalho em saúde. Interface Comum Saúde Educ. 2015;19 Suppl 1:S721-30.

Sodré F, Andrade M, Lima R, Garcia A. Formação em saúde: práticas e perspectivas no campo da saúde coletiva. Vitória: EDUFES; 2016.

Campos GW. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003.

Coêlho BP, Miranda GMD, Coutinho Neto OB. A formação-intervenção na atenção primária: uma aposta pedagógica na educação médica. Rev Bras Educ Méd. 2019;43(1 Suppl 1):S632-40.

Sousa M. A complexidade da formação médica na epara atenção básica como parte de dois sistemas e um sistema à parte [Tese] Fortaleza (CE): Universidade Estadual do Ceará, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza; 2014.

Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 2009.

Alves MNT, Marx M, Bezerra MMM, Landim JMM. Metodologias pedagógicas ativas na educação em saúde. Rev Psic. 2017;10(33):339-46.

Palácio MAV, Gonçalves LBB, Struchiner M. A narrativa do aluno de medicina na formação em atenção primária à saúde: potencializando espaços de aprendizagem mediados pelas tecnologias digitais. Rev Bras Educ Méd. 2019;43(1 Suppl 1):330-40.

Gigante RL, Campos GWS. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trab Educ Saúde. 2016;14(3):747-63.

Ferreira MJM, Ribeiro KG, Almeida MM, Sousa MS, Ribeiro MTAM, Machado MMT, Kerr LRFS. New National Curricular Guidelines of medical courses: opportunities to resignify education. Interface Comum Saúde Educ. 2019;23 Suppl 1:S1-15.

Almeida Filho N. Reconhecer Flexner: inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cad Saúde Pública. 2010;26(12):2234-49.

Vilas Boas LM, Daltro MR, Garcia CP, Menezes MS. Educação médica: desafio da humanização na formação. Saúde Redes. 2017;3(2):172-82.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3433g768

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS