Atenção à saúde bucal na atenção primária à saúde em Portugal: Perceção dos médicos dentistas portugueses

Manuel Lourenço Nunes, Alexandre Morais Nunes

Resumo


Objetivos: o presente estudo objetivou analisar as perceções dos médicos dentistas relativamente à implementação da atenção à saúde bucal na atenção primária à saúde em Portugal. Métodos: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, realizado com recurso a entrevista semiestruturada gravada aplicada a 75 médicos dentistas. A coleta de dados ocorreu entre julho e dezembro de 2017, sendo utilizada para a análise a técnica da análise de conteúdo. Resultados: as falas revelam a importancia da realização de  tratamentos e educação em saúde bucal integrada na equipe de saúde da atenção primária à saúde. Conclusões: Em conformidade com a literatura, os dentistas destacam a importância do reforço da atenção à saúde bucal de acesso universal integrada no Serviço Nacional de Saúde, reforçam a necessidade de criar mais equipes de saúde bucal (médico dentista, higienista e assistentes) em toda a atenção primária e destacam a necessidade da implementação de uma carreira médica de medicina dentária para promover a colocação de mais médicos dentistas em zonas mais carenciadas. 


Palavras-chave


saúde bucal; atenção primária; acesso; estratégia

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Malta D, Neto O, Silva M, Rocha D, Castro A, Reis A, Akerman M. Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): Capítulos de uma caminhada ainda em construção. Ciência e Saúde Coletiva. 2016; 21(6): 1683-1694.

Portugal. Decreto de 10/04 de 1976. Constituição da República Portuguesa. Lisboa: Governo de Portugal; 1976.

Portugal. Direção-Geral da Saúde. Divisão de saúde escolar. Programa nacional de promoção da saúde oral. Lisboa: Direção-Geral da Saúde; 2005

Nunes M. Dentistas em Portugal – um pouco de história. Sub-Região de Saúde de Castelo Branco e Ordem dos Médicos Dentistas; 1999.

Gonçalves J. Avaliação do risco de cárie dentária em crianças com 6 anos de idade no âmbito do programa nacional de promoção da saúde oral. Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Ciências da Saúde; 2014.

Calado R. O Programa de Saúde Oral de Castelo Branco: A procura de novas estratégias, para vencer um velho problema. Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa e Escola Nacional de Saúde Pública; 1994.

Morais R. Potencial da Telemedicina Dentária no diagnóstico oral infantil; Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; 2010.

Assunção M. Interioridade e a Cárie Dentária; Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto; 2005.

Portugal. Despacho Ministerial n.º 153. Diário da República, 2.ª série – 5 de Janeiro; 2005.

Portugal. Despacho n.º 8591-B. Diário da República nº125 - II Série de 01 de julho; 2016.

Portugal. Despacho n.º8591-B/2016. Diário da República, 2.ª série — N.º 125 — 1 de julho; 2016.

Mendes J, Netto J. Atenção à saúde bucal na estratégia saúde da família: percepções dos profissionais sobre educação em saúde. Saúde em Redes. 2015; 1 (3): 63-71.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Portugal. Despacho n.º 6430/2017 - Diário da República n.º 142, Série II de 25 de julho; 2017.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 1999.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006.

Lopes P. Estilos de vida e prevenção primária na saúde oral em ambiente escolar. Coimbra: Universidade de Coimbra; 2012.

Almeida M, Barros L, Costa C, Alves, M. Promoção da Saúde Oral: contributos para a organização e aplicação de programas. Lisboa: Coisas de Ler; 2010.

Grade M. A satisfação das grávidas e Médicos Dentista no âmbito do Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2013.

Castro E. Programa de Saúde Oral: Evolução, Instrumentos e Resultados. Braga: Universidade do Minho; 2012.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.1005g322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS