Gestão hospitalar em Portugal: a busca de um modelo ajustado aos hospitais públicos

Alexandre Morais Nunes, Andreia Afonso de Matos

Resumo


A busca de um modelo de gestão hospitalar adequado à prestação de cuidados de saúde no setor público é já procurado em Portugal há várias décadas. Foram implementados vários modelos e realizadas avaliações quantitativas, ouvindo poucas vezes os intervenientes nos processos. Objetivo: o presente estudo objetivou analisar as percepções dos grupos de interesse (stakeholders) relativamente às medidas aplicadas que mais contribuíram para a consecução dos objetivos da reforma para a melhoria do acesso, qualidade e eficiência. Método: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, realizado com recurso a 50 entrevistas semiestruturadas gravadas e transcritas, optando-se pela análise de conteúdo. Resultados: as falas indicam que os diferentes grupos têm diferentes interpretações, dependendo da sua atividade ou função no sistema de saúde. Todos referem que a gestão melhorou com a implementação de práticas de gestão empresarial e com a prestação regular de contas. No entanto, exigem mais transparência, incentivos e acesso. Conclusões: A inovação nas práticas de gestão hospitalar contrbuiu para a melhoria do acesso, da qualidade e eficiência.


Palavras-chave


Gestão hospitalar ; Acesso aos Serviços de Saúde; Qualidade da Assistência à Saúde; Eficiência.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Nunes A, Ferreira D. Reforms in the Portuguese health care sector - Challenges and proposals. IJHPManagement. 2018, 1-13.

Bilhim J. Ciência da administração. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2014.

Nunes A. Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa; 2016.

Nunes A. Direito à saúde em Portugal. Direitos Fundamentais e Justiça. 2017; 11(37): 17-34.

Hood C. A public management for all seasons?. Public Administration. 1991; 69: 3-19.

Campos A. Reformas da saúde – o fio condutor. Coimbra: Almedina; 2008.

Pereira L. A reforma estrutural da saúde e a visão estratégica para o futuro. Lisboa: Gradiva; 2005.

Nunes A, Matos A. Experiências de Gestão Hospitalar Realizadas em Portugal - Uma Perspectiva Comparada. Revista Eletrônica Gestão e Saúde. 2017; 8(2): 284-301.

Nunes A; Harfouche A. A Reforma da Administração Pública aplicada ao setor da saúde: a experiência portuguesa. Brasil. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. 2015; 4: 1-8.

Portugal. Lei n.º 27/2002. Diário da República nº 258, I Série A, 8 de novembro, p.7150; 2002.

Major J, Magalhães A. Reestruturação do serviço nacional de saúde em Portugal: balanço da empresarialização dos hospitais públicos portugueses. Revista de Administração (USP). 2014; 49(3): 476-490.

Rego G. Gestão empresarial dos serviços públicos. Uma aplicação ao setor da saúde. Porto: Vida Económica; 2011.

Ferreira D, Nunes A. Utilização de fronteiras não-paramétricas para avaliação da eficiência. J Bras Econ Saúde. 2017;9(3) 316-32.

OPSS - Observatório Português dos Sistemas de Saúde. 10 anos de OPSS, 30 anos de SNS: razões para continuar. Relatório Primavera. Lisboa: OPSS; 2009.

Ferreira A, Escoval A, Lourenço A, Matos T, Ribeiro R. A contratualização de cuidados de saúde. In Simões, J. (coord.). 30 anos do serviço nacional de saúde (pp. 425-460). Coimbra: Almedina; 2010.

Moreira S. Análise da eficiência dos hospitais-empresa: uma aplicação da data envelopment analysis. Boletim Económico - Banco de Portugal, (Primavera). 2008; 1: 127–150.

Sampieri R, Collado C, Lúcio, P. Metodologia de pesquisa. 3ª Edição. São Paulo: McGraw-Hill; 2006.

Almeida A, Fique J. Evaluating hospital efficiency for quality indicators: an application to Portuguese NHS hospitals. Working Paper n.º 435. Porto: Faculdade de Economia - Universidade do Porto; 2011.

Minayo MC. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Tuckman B. Manual de investigação em educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 2000.

Foddy W. Como perguntar: teoria e pratica da construção de perguntas em entrevistas e questionários. Oeiras: Celta editora; 2002.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2346g486

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS