Emigração médica em Portugal: causas e efeitos para o Serviço Nacional de Saúde

Alexandre Morais Nunes

Resumo


 Objetivos: identificar as causas que desencadearam a emigração e os fatores que podem afetar a decisão para retornar ao país de formação. Métodos: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, realizado com recurso a entrevista semiestruturada gravada aplicada a 50 jovens médicos que manifestaram intenção de emigra. A coleta de dados ocorreu entre setembro e dezembro de 2016, sendo utilizada para a análise a técnica da análise de conteúdo. Resultados: verificou-se que, para 88% dos entrevistados, a ideia de emigrar é motivada por desmotivação generalizada com o estado da profissão em Portugal, causada por fatores relacionados com a proprio processo de formação (90%), pela falta de estabilidade e perspectivas de futuro (100%), por fatores relacionados com a remuneração (100%) e pelas condições de trabalho precárias oferecidas no Serviço Nacional de Saúde (60%). Apenas 20% dos entrevistados admite retornar, um dia mais tarde, ao país que o formou. Conclusões: Os médicos internos com intenção de emigrar sentem uma forte desmotivação que já levou para fora do país mais de 800 jovens médicos em pleno período de crise econômica (entre 2013 e 2015). O presente estudo coloca um problema existente não apenas em Portugal como em outros países e reflete a necessidade de promover medidas urgentes para reverter essa tendência. Um dos efeitos mais graves é o risco de faltarem médicos em algumas áreas, comprometendo o acesso e a cobertura universal do Serviço Nacional de Saúde.  

Palavras-chave


Médicos; Educação Médica; Satisfação no Emprego; Emigração.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Magalhães-Alves C, Barbosa J, Ribeiro L, Ferreira M. Licenciados no Curso de Medicina: Motivações, Socialização e Reconhecimento Académico. Acta Médica Portuguesa. 2017; 30(4): 285-292.

Ribeiro M, Leal S, Diamantino F, Bianchi H. A Opção pela Medicina e os Planos em relação ao Futuro Profissional de Estudantes de uma Faculdade Pública Brasileira. Revista de Educação Médica. 2011; 35(3): 405-411.

Haas JS, Cook EF, Puopolo AL, Burstin HR, Cleary PD, Brennan TA. Is the professional satisfaction of general internists associated with patient satisfaction? J Gen Intern Med. 2000;15:122-8.

Hillhouse JJ, Adler CM, Walters DN. A simple model of stress, burnout and symptomatology in medical residents: A longitudinal study. Psychol Health Med. 2000,5:63–73.

O’Malley AS. Exodus of male physicians from primary care drives shift to specialty practice. Track Rep. 2007:1-6.

Portugal. Memorando de entendimento sobre as condicionalidades de Política Económica assinado entre o Governo de Portugal, o Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional. Portugal; 2011.

Correia T, Carapinheiro G, Silva J, Vieira J. O sistema de saúde português no tempo da Troika: a experiência dos médicos. Lisboa: ISCTE-IUL/Ordem dos Médicos; 2015.

Portugal. Lei n.º1/2005, de 12 de agosto - Constituição da República Portuguesa.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Portugal. Decreto-Lei 203/2004, de 18 de agosto.

Portugal. Decreto-Lei n.º 60/2007, de 13 de março.

Portugal. Portaria n.º 183/2006, de 22 de fevereiro.

Portugal. Portaria n.º 53/2013 de 5 de fevereiro.

Longo D, Fauci A, Kasper D, Hauser S, Harrison T, Braunwald E. Harrison's Principles of Internal Medicine. Nova Iorque: McGraw Hill Education; 1950.

OCDE Health Data; 2016.

Silva, José Manuel. Exportar médicos é mau para o país e para os doentes. Revista Hospital. 2015; 5: 13-15.

Administração Central do Sistema de Saúde. Balanço social do Serviço Nacional de Saúde; 2016.

Silva, J. Ordem dos Médicos Manifesta preocupação com cortes e emigração: Jornal Médico. 2014 (2014). Jornal Médico. Available from: http://www.jornalmedico.pt/atualidade/29336-ordem-medicos-manifesta-a-cavaco-silva-preocupacao-com-cortes-e-emigracao.html.

Ordem dos Médicos. Emigração subiu: 475 médicos foram trabalhar para fora no ano passado. Diário de Noticias. Available from: https://www.dn.pt/portugal/interior/emigracao-subiu-475-foram-trabalhar-para-fora-no-ano-passado-5008596.html.

Portugal. Decreto-Lei n.º 86/2015, de 20 de Maio.

Martins M, Laíns I, Brochado B, Oliveira-Santos M, Teixeira P, Brandão M, Cerqueira R, Castro-Ferreira R, Bernardes C, Nobre M, Baptista B, Ladeiras-Lopes R, Rei M, Pires G, Martins J, Sanches M, Mendonça M, Ferreira-Pinto M, Rato M, Costa e Silva M, Policiano C, Beato J, Barbosa-Breda J, Torres J, Pimentel J, Leal I, Aguiar S, Ribeiro B, Costa F, Palmela C, Gonçalves T, Morais L, Marques T. Satisfação com a Especialidade entre os Internos da Formação Específica em Portugal. Acta Med Port. 2015; 28(2):209-221.

Solberg IB, Tómasson K, Aasland O, Tyssen R. The impact of economic factors on migration considerations among Icelandic specialist doctors: a cross-sectional study. BMC Health Serv Res. 2013;13:524-530.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.990g324

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS