CRISE E VOLUME DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM PORTUGAL

Alexandre Morais Nunes

Resumo


O elevado volume de internações em Portugal, ao longo dos anos, gerou elevados gastos para o sistema de saúde português que poderiam ter sido evitados.A promoção da assistência em ambulatório sempre foi um dos principais objetivos dos governos portugueses, mas que nunca foi concretizado. Contudo, em 2011, em plena crise econômica, a intervenção externa do Fundo Monetário Internacional e da Comissão Europeia obrigaram o país a adotar medidas concretas para reverter essa situação.

 

Este estudo teve como objetivo avaliar o impacto das reformas implementadas no período de crise econômica portuguesa decorrido entre 2011 e 2015 que objetivaram a promoção da assistencia ambulatorial nos hospitais. Como principais conclusões verificou-se uma redução do número de internações (em 2,9%) e um aumento do número de primeiras consultas hospitalares (em 11,8%).


Palavras-chave


Sustentabilidade; assistência hospitalar; gastos em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Campos A. Despesa e défice na saúde: o percurso financeiro de uma política pública. Análise Social. 2001; 161, 1079-1104.

Barros P. Economia da saúde - conceitos e comportamentos (3ª edição). Coimbra: Almedina; 2013.

Nunes A. Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2016.

Vaz A. Hospitais públicos portugueses. In Simões, J. (Coord.). 30 Anos de Serviço Nacional de Saúde: um percurso comentado (pp. 297-353). Coimbra: Almedina; 2010.

Matos A, Nunes A. Inovação da Gestão dos Hospitais Públicos no Sistema de Saúde Português. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. 2017; 5, 14-23.

ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde. Metodologia para a definição de preços e fixação de objetivos. Contrato Programa (2010-2012) para as Unidades Locais de Saúde. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde; 2010.

ACSS (2012) - Administração Central do Sistema de Saúde. Contrato-Programa 2012: Metodologia para a definição de preços e fixação de objectivos. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde; 2012.

Fernandes A. A combinação público-privado. In Campos, A. & Simões, J. (Coord). 40 anos de abril na saúde (pp.213-231). Coimbra: Almedina; 2014.

Carmo M. A Troika, o memorando e os serviços de saúde. In Carmo (Org). Serviço Nacional de Saúde em Portugal: as ameaças, a crise e os desafios (pp. 85-90). Coimbra: Almedina; 2012.

Lim S, Doshi, V, Castasus B, Lim J, Mamun K. Factors causing delay in discharge of elderly patients in an acute care hospital. Ann Acad Med Singapore. 2006; 35, 27-32.

Sabbtini A., Nallamothu B., Kocher K. Reducing variation in hospital admission from the emergency departmente for low-mortality conditions may produce savings. Health Affairs. 2014; 33(9), 1655-1663.

Fernandes A. Hospitais: um novo modelo de gestão hospitalar. Revista XXI, Ter Opinião. 2012; 1, 80-85.

Barros P. Um ano de Troika e a política de saúde. In Fernandes & Barros. Um ano depois da Troika na política de saúde (pp.73-116). Cascais: Príncipia Editora; 2012.

ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde, IP. Termos de Referência para Contratualização de Cuidados de Saúde Hospitalares no SNS | Contrato-Programa 2016. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde; 2015.

ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde, IP. Termos de Referência para contratualização de cuidados de saúde no SNS para 2017. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde; 2016.

DGS – Direção-Geral de Saúde. Glossário de Conceitos para Produção de Estatísticas em Saúde. Lisboa: DGS; 2001.

INE - Instituto Nacional de Estatística. Serviço de metainformação. Disponivel em http://smi.ine.pt/Conceito. Consultado em 15 de agosto de 2017.

ACSS - Administração Central do Sistema de Saúde, IP. Relatório do Acesso aos Cuidados de Saúde. Lisboa: Ministério da Saúde; 2017.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n3p264-272

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n3.909g165

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS