Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no interior de Portugal

Alexandre Morais Nunes

Resumo


Este estudo enfoca a satisfação dos usuários com a satisfação e a qualidade do atendimento na atenção primária à saúde integrada na rede pública de serviços da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco. Foi realizado um estudo qualitativo envolvendo 50 usuários de dois agrupamentos de centros de saúde. A coleta de dados foi realizada por meio da entrevista não diretiva e as informações foram analisadas com recurso à análise de conteúdo. Os resultados mostram uma satisfação em relação à cobertura da população, aos profissionais de saúde e às instalações, ainda que com algumas críticas. No entanto, os usuários expressam insatisfação com o tempo de espera por marcação de consultas, o tempo de consulta e a fraca integração de serviços com o hospital. 


Palavras-chave


Satisfação do usuário. Saúde coletiva. Atenção primária.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Calnan M, Hutten J, Tiljak H. The challenge of coordination: the role of primary care professionals in promoting care across the interface. In Saltman, R., Rico, A., & Boerma, W. (Eds). Primary Care in the Driver’s Seat? Organizational Reform in European Primary Care (pp. 85–104). Maidenhead: Open University Press; 2016.

Starfield B. Primary care: balancing health needs, services and technology. Oxford: University press; 1998.

Nunes A. Reformas na gestão hospitalar: análise do processo em empresarialização. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2016.

Pisco L. A voz dos utentes dos centros de saúde. Qualidade em Saúde. 2003; 7: 23-26.

Portugal. Decreto-Lei n.º 28, de 22 de fevereiro; 2008.

Biscaia A, Martins J, Carreira M, Gonçalves I. Cuidados de Saúde Primários em Portugal: reformar para novos sucessos. Lisboa: Padrões conceptuais editora; 2006.

Gaioso VP, Mishina SM. User satisfaction from the perspective of acceptability in the family health scenario. Texto Contexto Enferm. 2007; 16(4):617-25.

Tahara A, Lucena R, Oliveira A, Santos G. Satisfação do paciente:

refinamento de instrumentos de avaliação de serviços de saúde. Rev Bras Enferm. 1997; 50(4):497-506.

Sakellarides C. Satisfação dos portugueses com os cuidados de saúde. Lisboa: Edição do Instituto do Consumidor; 2003.

Pereira L Qualidade é ferramenta fundamental da nova estratégia para a saúde. Qualidade em saúde. 2003; 7, 3-8.

Arruda C, Bosi M. Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no Nordeste do Brasil. Interface (Botucatu). 2017; 21(61):321-32.

Esher A, Santos E, Torres R, Azeredo T. Construindo critérios de julgamento em avaliação: especialistas e satisfação dos usuários com a dispensação do tratamento do HIV/Aids. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17(1): 203-214.

Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Estatisticas da população portuguesa. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística; 2017.

Schwandt TA. The sage dictionary of qualitative inquiry. Califórnia: Sage; 2007.

Sampieri R, Collado C, Lúcio P. Metodologia de pesquisa (5ª edição). São Paulo: McGraw-Hill; 2013.

Michelat G. Sobre a utilização da entrevista não-diretiva em sociologia. In: Thiollent MJM, organizador. Crítica metodológica, investigação social e enfoque operário. São Paulo: Polis. 1987(1): 191-211.

Bardin L. Análise de conteúdo (3ª edição). Lisboa: Edições 70; 2006.

Mendes F, Mantovani M, Gemito M, Lopes M A satisfação dos utentes com os cuidados de saúde primários. Revista de Enfermagem Referência. 2013; 9: 17-25.

Lourenço B. Asatisfação dos utentes com os cuidados de saúde primários. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2008.

Barbosa P. O impacto das políticas de saúde na satisfação dos utentes e no acesso aos cuidados de saúde primários. lISBOA: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2008.

Hollanda E, Siqueira S, Andrade G, Molinaro A, Vaitsman J. Satisfação e responsividade em serviços de atenção à saúde da Fundação Oswaldo Cruz. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17(12): 3343-52.

Franco T, Bueno W, Merhy E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 1999; 15(2): 345-53.

Medeiros F, Souza G, Barbosa A, Costa I. Acolhimento em uma Unidade Básica de Saúde: a satisfação do usuário em foco. Revista de Salud Pública. 2010; 12(3): 402- 413.

Kerber N, Kirchhof A, Vaz M, Silveira, R. Direito do cidadão e avaliação nos serviços de saúde: aproximações teórico-práticas. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2010; 18(5): 1013-1019.

Jorge M, Guimarães J, Vieira L, Paiva F, Silva D, Pinto A. Avaliação da qualidade do programa saúde da família no Ceará: a satisfação do usuário. Rev Baiana Saude Publica. 2007; 31(2):256-66.

Bosi M, Affonso K. Cidadania, participação popular e saúde: com a palavra os usuários da rede pública de serviços. Cad Saude Publica. 1998; 14(2):355-61.

Ronzani T, Silva C. O Programa Saúde da Família segundo profissionais de saúde, gestores e usuários. Cienc Saude Colet. 2008; 13(1):23-34.

Teixeira J. Comunicação e cuidados de saúde. Desafios para a psicologia da Saúde. Análise psicológica. 1996; 14(1): 135-139.

Cotta R, Marques E, Maia T, Azevedo C, Schott M, Franceschini S, Priore S. A satisfação dos usuários do Programa de Saúde da Família: avaliando o cuidado em saúde. Scientia Medica. 2005; 15(4): 227-234.

Coimbra V, Kantorski L, Oliveira M, Pereira D, Nunes C, Eslabão A. Avaliação da satisfação dos usuários com o cuidado da saúde mental na Estratégia Saúde da Família. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010; 45(5): 1150-56

Cruz W, Melleiro M. Análise da satisfação dos usuários de um hospital privado. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010; 44(1): 147-153.

Esperidião M, Trad L. Avaliação de satisfação de usuários: considerações teóricoconceituais. Cad Saude Publica. 2006; 22(6):1267-76.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n3p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n3.992g295

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS