Considerações entre conceito e ação no campo da promoção da saúde: estudo de caso em uma unidade local de saúde em Portugal

Alexandre Morais Nunes

Resumo


Objetivos: analisar as concepções dos profissionais de saúde (médicos, enfermeiros) que dirigem as práticas de promoção da saúde na Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, no centro interior de Portugal. Métodos: estudo exploratório-descritivo, de abordagem qualitativa, realizado com recurso a entrevista semiestruturada gravada aplicada a 60 profissionais. A coleta de dados ocorreu entre março e agosto de 2017, sendo utilizada para a análise a técnica da análise de conteúdo. Resultados: a maioria dos profissionais entrevistados tem um conceito ampliado de promoção da saúde, mas na prática não se verifica, existindo necessidade de reflexão sobre as atividades a desenvolver nesse campo. Conclusões: os profissionais desconhecem os programas nacionais existentes e suas principais linhas de ação. Porém, identificam a educação como um modo de promoção da saúde, reconhecendo o importante papel que poderão ter junto da população.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Calnan M, Hutten J. Tiljak, H. The challenge of coordination: the role of primary care professionals in promoting care across the interface. In Saltman R, Rico A, Boerma W. (Eds). Primary Care in the Driver’s Seat? Organizational Reform in European Primary Care. Maidenhead: Open University Press, p. 85-104; 2016.

Nunes A. Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Tese (Doutoramento em Administração da Saúde). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2016.

Nunes A, Nunes M. A saúde em Portugal: um olhar sobre o distrito de Castelo Branco. Castelo Branco: RVJ Editores; 2016.

OMS - Organização Mundial de Saúde. Carta de Otawa para a Promoção da Saúde. Genebra: OMS publishing; 1986.

DGS - Direção-geral da Saúde. Semântica na área de informação em Saúde. Lisboa: DGS; 2016.

Sícoli J, Nascimento P. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2003; 7(12): 91-112.

Starfield B. Primary care: balancing health needs, services and technology. Oxford: University press; 1998.

Minayo M. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (11ª Edição). São Paulo: Hucitec; 2008.

Michelat G. Sobre a utilização da entrevista não-diretiva em sociologia. In: Thiollent, M (Editor). Crítica metodológica, investigação social e enfoque operário (p.191-211). São Paulo: Polis; 1987.

Schwandt T. The sage dictionary of qualitative inquiry. Califórnia: Sage; 2007.

Sampieri R, Collado C, Lúcio M. Metodologia de pesquisa (5ª Edição). São Paulo: McGraw-Hill; 2013.

Bardin L. Análise de conteúdo (3ª Edição). Lisboa: Edições 70; 2006.

Almeida E. As concepções do agente comunitário de saúde sobre promoção da saúde. Tese (Mestrado em Saúde Coletiva) – Departamento de Saúde Coletiva, Universidade de São Paulo; 2008.

Horta N, Sena R, Silva M, Oliveira S, Rezende V. A prática das equipes de saúde da família: desafios para a promoção de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009; 62(4): 524-529.

Junges J, Barbiani R. Interfaces entre território, ambiente e saúde na atenção primária: uma leitura bioética. Revista bioética. 2013; 21(2): 207-17.

Dowbor T, Westphal M. Determinantes sociais da saúde e o Programa Saúde da Famíliano município de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2013; 47(4): 781-90.

Oliveira H, Gonçalves M. Educação em saúde: uma experiência transformadora. Rev Bras Enferm. 2004; 57(6), 761-3.

Tesser C, Garcia A, Vendruscolo A, Argenta C. Estratégia saúde da família e análise da realidade social: subsídios para políticas de promoção da saúde e educação permanente. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(11), 4295-306.

Alves V. Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família: pela integridade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2004; 9(16): 39-52.

Carvalho S, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13(2): 2029-40.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005.

Gazzinelli F, Gazzinelli A, Reis D, Penna C. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(1): 200-206.

Cervera D, Patricia P, Parreira B, Dias M, Goulart B. Educação em saúde: percepção dos enfermeiros da atenção básica em Uberaba. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(1): 1547-54.

Araújo M, Rocha P. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(2): 455-464.

Dias M, Vieira N. A comunicação como instrumento de promoção de saúde na clínica dialítica. Rev. bras. Enfermagem. 2008; 61(1): 71-77.

Melo G, S1. Calnan M, Hutten J. Tiljak, H. The challenge of coordination: the role of primary care professionals in promoting care across the interface. In Saltman R, Rico A, Boerma W. (Eds). Primary Care in the Driver’s Seat? Organizational Reform in European Primary Care. Maidenhead: Open University Press, p. 85-104; 2016.

Nunes A. Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Tese (Doutoramento em Administração da Saúde). Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas; 2016.

Nunes A, Nunes M. A saúde em Portugal: um olhar sobre o distrito de Castelo Branco. Castelo Branco: RVJ Editores; 2016.

OMS - Organização Mundial de Saúde. Carta de Otawa para a Promoção da Saúde. Genebra: OMS publishing; 1986.

DGS - Direção-geral da Saúde. Semântica na área de informação em Saúde. Lisboa: DGS; 2016.

Sícoli J, Nascimento P. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2003; 7(12): 91-112.

Starfield B. Primary care: balancing health needs, services and technology. Oxford: University press; 1998.

Minayo M. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (11ª Edição). São Paulo: Hucitec; 2008.

Michelat G. Sobre a utilização da entrevista não-diretiva em sociologia. In: Thiollent, M (Editor). Crítica metodológica, investigação social e enfoque operário (p.191-211). São Paulo: Polis; 1987.

Schwandt T. The sage dictionary of qualitative inquiry. Califórnia: Sage; 2007.

Sampieri R, Collado C, Lúcio M. Metodologia de pesquisa (5ª Edição). São Paulo: McGraw-Hill; 2013.

Bardin L. Análise de conteúdo (3ª Edição). Lisboa: Edições 70; 2006.

Almeida E. As concepções do agente comunitário de saúde sobre promoção da saúde. Tese (Mestrado em Saúde Coletiva) – Departamento de Saúde Coletiva, Universidade de São Paulo; 2008.

Horta N, Sena R, Silva M, Oliveira S, Rezende V. A prática das equipes de saúde da família: desafios para a promoção de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009; 62(4): 524-529.

Junges J, Barbiani R. Interfaces entre território, ambiente e saúde na atenção primária: uma leitura bioética. Revista bioética. 2013; 21(2): 207-17.

Dowbor T, Westphal M. Determinantes sociais da saúde e o Programa Saúde da Famíliano município de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2013; 47(4): 781-90.

Oliveira H, Gonçalves M. Educação em saúde: uma experiência transformadora. Rev Bras Enferm. 2004; 57(6), 761-3.

Tesser C, Garcia A, Vendruscolo A, Argenta C. Estratégia saúde da família e análise da realidade social: subsídios para políticas de promoção da saúde e educação permanente. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(11), 4295-306.

Alves V. Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família: pela integridade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2004; 9(16): 39-52.

Carvalho S, Gastaldo D. Promoção à saúde e empoderamento: uma reflexão a partir das perspectivas crítico-social pós-estruturalista. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13(2): 2029-40.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005.

Gazzinelli F, Gazzinelli A, Reis D, Penna C. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(1): 200-206.

Cervera D, Patricia P, Parreira B, Dias M, Goulart B. Educação em saúde: percepção dos enfermeiros da atenção básica em Uberaba. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(1): 1547-54.

Araújo M, Rocha P. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12(2): 455-464.

Dias M, Vieira N. A comunicação como instrumento de promoção de saúde na clínica dialítica. Rev. bras. Enfermagem. 2008; 61(1): 71-77.

Melo G, Santos R, Trezza M. Entendimento e prática de ações educativas de profissionais do Programa Saúde da Família de São Sebastião-AL: detectando dificuldades. Revista Brasileira de Enfermagem. 2005; 58(3): 290-295.

Firmino S, Mesquita A, Costa de Sousa S, Lima Carvalho C, Fernandes A, Santos M. Promoção da saúde: a qualidade de vida nas práticas da enfermagem. Revista electrónica trimestral de Enfermagem. 2013; 32(1): 270-279.

Sorratto J, Pires D, Dornelles S, Lorenzetti J. Estratégia de saúde da família: uma inovação tecnológica em saúde. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(2): 584-92.

antos R, Trezza M. Entendimento e prática de ações educativas de profissionais do Programa Saúde da Família de São Sebastião-AL: detectando dificuldades. Revista Brasileira de Enfermagem. 2005; 58(3): 290-295.

Firmino S, Mesquita A, Costa de Sousa S, Lima Carvalho C, Fernandes A, Santos M. Promoção da saúde: a qualidade de vida nas práticas da enfermagem. Revista electrónica trimestral de Enfermagem. 2013; 32(1): 270-279.

Sorratto J, Pires D, Dornelles S, Lorenzetti J. Estratégia de saúde da família: uma inovação tecnológica em saúde. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(2): 584-92.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n2p37-49

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n2.903g280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS