A importância da comunicação com profissionais de saúde: o olhar dos usuários na atenção primária à saúde no interior de Portugal

Alexandre Morais Nunes

Resumo


Resumo: A comunicação em saúde é uma peça fundamental para criar uma relação entre profissionais e usuários, especialmente em questões relacionadas com a aprendizagem e com os processos de trabalho em promoção da saúde, prevenção da doença realizados na atenção primária à saúde. A comunicação ganha uma maior relevância quando aplicada em populações envelhecidas com um menor grau de escolaridade e que têm necessidades específicas de saúde e dificuldades cognitivas. O objetivo deste artigo é o de analisar a percepção dos usuários sobre o conceito de saúde e os processos de trabalho numa unidade de atenção básica à saúde no interior de Portugal (cidade de Castelo Branco). Trata-se de um estudo qualitativo com uma abordagem sócio antropológica que através de um conjunto de entrevistas procurou perceber junto dos usuários a diversidade de concepções existentes sobre os serviços que podem estar na base de algumas dificuldades em alcançar melhores resultados. Como principais conclusões se verificou que para os usuários saúde é o contrário de doença, que o medico é o único profissional de saúde que devem ouvir e consultar, mas apenas quando estão com um problema de saúde. 


Palavras-chave


Atenção primária à saúde; comunicação; pessoal de saúde.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Antos G. Handbook of interpersonal communication. The Hague: Mouton De Gruyter; 2011.

Zuckerman M, DePaulo B, Rosenthal R. Verbal and nonverbal communication. Advances in experimental Social Psychology. 1981; (14): 1-59.

Lunenburg F. Communication: the process, barriers, and improving effectivenes. Schooling. 2010;(1): 1-6.

Kotler P. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010.

Bakthin M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec; 1992.

Bordieu P. O poder simbólico. 9.ed. Rio de Janeiro: Editora; 2006.

Pais S, Guedes M, Menezes I. Os contextos e as práticas da educação para a saúde em torno da doença crónica: uma perspetiva reflexiva e crítica com base na experiência de vida com diabetes mellitus. Educação Sociedade Culturas. 2013 (38), 31-51.

Menezes I. Intervenção comunitária: uma perspectiva psicológica. Porto: Livpsic; 2007.

Teixeira J. Comunicação em saúde: relação técnica de saúde-utentes. Análise Psicológica. 2004; 22(3): 615-620.

Minayo M, Gomes S. Pesquisa social; teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Editora Vozes; 2012.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006.

Almeida Filho N, Juca V. Saúde como ausência de doença: crítica à teoria funcionalista de Christopher Boorse. Ciênc saúde coletiva. 2002; 7(4): 879-889.

Frenk J. Nova saúde pública. Massachusetts: Instituto Nacional de Saúde Pública; 1997.

Organização Mundial de Saúde. Constituição da Organização Mundial da Saúde. Genebra: Organização Mundial de Saúde; 1946.

Baba V, Galaperin B, Lituchy T. Occupational mental health: a study of work-related depression among nursesin the Caribbean. International Journal Nursing Studies. 1999; 36:163-169.

Sá E, Veiga C, Matela S, Morais R, Silva R, Seixas A, Gonçalves S. A dor e o sofrimento: algumas reflexões a propósito da compreensão psicológica da fibromialgia. Revista Portuguesa Psicossomática. 2005; 7(1):101-113.

Ramos V. Prever a medicina das próximas décadas: Que implicações para o planeamento da educação médica?. Acta Médica Portuguesa. 1988; 2: 171-179.

Ribeiro J. Características psicológicas associadas à saúde [dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 1993.

Minayo M. Saúde: concepções e políticas públicas. In: Amâncio Filho A, Moreira M (Org). Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1997. p.138-152.

García M, Sáez Carreras J, Escarbajal de Haro A. Educación para la saud la apusta por la calidad de vida. Madrid: Arán Ediciones; 2000.

Foucault M. O Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes; 2008.

Heidmann I, Almeida M, Boehs A, Wosny A, Monticelli M. Promoção à saúde: trajetória histórica de suas concepções. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(2): 352-358.

Nunes A, Nunes, M. Saúde em Portugal: um olhar sobre o distrito de Castelo Branco. Castelo Branco: RVJ Editores; 2016.

Mattos R. A integralidade na prática. Cad Saúde Pública. 2004; 20(5):1411-1416.

Nunes A, Nunes, M. Hospital Amato Lusitano: 40 anos ao serviço dos cidadãos. Castelo Branco: RVJ Editores; 2017.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n2p113-121

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2348g374

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS