O uso das redes sociais pelos órgãos gestores do Sistema Único de Saúde

Carla Sasso Simon, Rafael Zaneripe de Souza Nunes, Marieli Mezari Vitali, Cibele Barsalini Martins

Resumo


Objetivo: o presente estudo tem como objetivo compreender como ocorre o uso das redes sociais por gestores do Sistema Único de Saúde em nível municipal, estadual e nacional e seu alcance para a população. Métodos: trata-se de um estudo documental de métodos mistos e descritivo, realizado nas redes sociais Instagram, Facebook e Twitter da Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma, Secretaria Estadual de Saúde de Santa Catarina e Ministério da Saúde. Considerou-se na análise quantitativa o número de publicações, curtidas, seguidores e comentários, e na análise qualitativa o conteúdo das postagens, comentários, respostas aos comentários e engajamento. Resultados: os resultados indicaram o baixo alcance da população nas redes sociais dos órgãos investigados e o destaque no número de postagens em âmbito nacional. Ainda, no que se refere ao conteúdo das postagens, o Ministério da Saúde destaca publicações educativas, enquanto as secretarias municipal e estadual apresentam mais postagens relacionadas a repasses financeiros e compra de novos equipamentos. Conclusão: foi possível identificar que, apesar da importância das redes sociais no acesso e disseminação de informações, avanços ainda são necessários para contemplar as potencialidades e fortalecimento dos serviços de saúde a partir da internet.


Palavras-chave


gestão em saúde; sistema único de saúde; redes sociais.

Texto completo:

Sem título

Referências


Kantar IBOPE Media. Acessar redes sociais é uma das atividades preferidas dos internautas brasileiros; 2016 [acesso em 20 jan. 2020]. Disponível em https://www.kantaribopemedia.com/acessar-redes-sociais-e-uma-das-atividades-preferidas-dos-internautas-brasileiros-2/

Silva DM, Ribeiro ACD, Silva Filho EA. As redes sociais como ferramenta para acesso à informação na administração pública. Perspectivas em Políticas Públicas. 2018; 11(21): 267-94.

Merhy E. Saúde: Cartografia do trabalho vivo. 2. ed. São Paulo: Hucitec; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010.

Oliveira MB, Spinola MM. A Influência da tecnologia da Informação nas Estratégias de Negócios do Setor da Saúde. Anais do XI Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica; Salvador. Bahia: Altec; 2005. v. 11.

Pinto LF, Rocha CMF. Inovações na Atenção Primária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologia de comunicação e informação para apoio à gestão local. Ciênc. saúde coletiva [internet]. 2016 [acesso em 17 jan. 2020]; 21(5):1433-48. Disponível em https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.26662015

Ferraz CP. A Etnografia Digital e os Fundamentos da Antropologia para Estudos Qualitativos em Mídias Online. Aurora [internet]. 2019 [acesso em 10 abr. 2020]; 12(35):46-69. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/aurora/issue/viewFile/2282/pdf_1#page=47

Hine C. Estratégias para etnografia da internet em estudos de mídia. In: Campanella B, Barros C. Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos. Rio de Janeiro: E-papers; 2016.

Fragoso S, Recuero R, Amaral A. Métodos de Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina; 2016.

Parisier E. O Filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar; 2012.

Ferreira LL. O uso da internet x atuação da enfermagem no âmbito hospitalar [Trabalho de Conclusão de Curso]. Santa Cruz do Sul: Universidade de Santa Cruz do Sul; 2017 [acesso em 13 jan. 2020]. Disponível em https://repositorio.unisc.br/jspui/handle/11624/1919.

Oliveira CM, Maschio E, Pereira R. Desenvolvimento do Pensamento Computacional com o Uso de Internet das Coisas. Anais dos Workshops do VII Congresso Brasileiro de Informática na Educação; Fortaleza. Ceará: WCBIE; 2018 [acesso em 27 jan. 2020]. p. 788-97. v. 7. Disponível em http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2018.788

Rossi JC, Trindade AC. Comunicação Estratégica e Mídias Sociais para gestão de crise – um estudo sobre a Vale S.A. Revista Uninter de Comunicação. 2016 [acesso em 19 jan. 2020]; 4(7):23-9. Disponível em http://dx.doi.org/10.21882/ruc.v4i7.610

Matias-Pereira J. Manual de gestão pública contemporânea. 4. ed. São Paulo: Atlas; 2012.

Cardoso JAL, Milagres CS, Tavares B, Silva EA. A Contribuição da Saúde para o Fortalecimento das Redes: O Avanço na Gestão Pública. Pensar Acadêmico. 2016; 1(14):61-72. Disponível em https://doi.org/10.21576/rpa.2016v14i1.6

Silva TA. Conceitos e evolução da administração pública. Anais do Seminário Internacional do Desenvolvimento Regional; Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul: Unisc; 2017. p. 1-22. v. 8. Disponível em https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidr/article/view/16678

Torres MDF. Estado, democracia e administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV; 2004.

Dias T. Governança Pública: uma concepção teórico-analítica aplicada no governo do Estado de Santa Catarina a partir da implantação das Secretarias de Desenvolvimento Regional [Tese de Doutorado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012 [acesso em 05 fev. 2020]. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/100650

Scherer MDA, Pires D, Schwartz Y. Trabalho coletivo: um desafio para a gestão em saúde. Rev. Saúde Pública [internet]. 2009 [acesso em 14 jan. 2020]; 43(4):721-5. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000400020

Testa M. Pensar en Salud. Buenos Aires: Lugar editorial; 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. ABC do SUS: Doutrinas e Princípios. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 1990.

Costa RS, Oliveira SR. Os direitos da personalidade frente à sociedade de vigilância: privacidade, proteção de dados pessoais e consentimento nas redes sociais. Revista Brasileira de Direito Civil em Perspectiva [internet]. 2019 [acesso em 16 jan. 2020]; 5(2):22-41. Disponível em https://www.indexlaw.org/index.php/direitocivil/article/view/5778

Machado J, Miskolci R. Das jornadas de junho à cruzada moral: o papel das redes sociais na polarização política brasileira. Sociol. Antropol. [internet]. 2019 [acesso em 25 jan. 2020]; 9(3):945-70. Disponível em https://doi.org/10.1590/2238-38752019v9310

Lima NL, Moreira JO, Stengel M, Maia LM. As redes sociais virtuais e a dinâmica da internet. Gerais, Rev. Interinst. Psicol. [internet]. 2016 [acesso em 20 jan. 2020]; 9(1):90-109. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1983-82202016000100008

Fontes BASM. Redes sociais e governança em saúde. Ciênc. saúde coletiva [internet]. 2018 [acesso em 30 jan. 2020]; 23(10):3123-32. Disponível em https://doi.org/10.1590/1413-812320182310.21112018

Magalhães R. Governança, redes sociais e promoção da saúde: reconfigurando práticas e institucionalidades. Ciênc. saúde coletiva [internet]. 2018 [acesso em 26 jan. 2020]; 23(10):3143-50. Disponível em https://doi.org/10.1590/1413-812320182310.15872018

David HMS, Faria MGA, Dias JAA, Souza VMD, Dias RS. Análise de redes sociais na atenção primária em saúde: revisão integrativa. Acta paul. Enferm. [internet]. 2018 [acesso em 17 jan. 2020]; 31(1):108-15. Disponível em https://doi.org/10.1590/1982-0194201800016

Lotta G. Burocracia, redes sociais e interação: uma análise da implementação de políticas públicas. Rev. Sociol. Polit. [internet]. 2018 [acesso em 25 jan. 2020]; 26(66):145-73. Disponível em https://doi.org/10.1590/1678-987318266607

Ferreira AC, Fagundes AFA, Camargo MCS, Oliveira TC. A pesquisa sobre redes sociais e comportamento do consumidor no Brasil. Revista Gestão & Tecnologia [internet]. 2017 [acesso em 02 fev. 2020]; 17(2):186-213. Disponível em http://revistagt.fpl.edu.br/get/article/view/1146

Hawkins CM, Delao AJ, Hung C. Social media and the patient experience. JACR [internet]. 2016 [accessed in 12 fev. 2020]; 13(12):1615-21. Available from https://doi.org/10.1016/j.jacr.2016.09.006

Steffens MS, Dunn AG, Wiley KE, Leask J. How organisations promoting vaccination respond to misinformation on social media: a qualitative investigation. BMC public health [internet]. 2019 [accessed in 15 fev. 2020]; 19(1):1-12. Available from https://doi.org/10.1186/s12889-019-7659-3

Giddens A. Sociologia. 4. ed. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Santos JLG, Erdmann AL, Meirelles BHS, Lanzoni MM, Cunha VP, Ross R. Integração entre dados quantitativos e qualitativos em uma pesquisa de métodos mistos. Texto contexto - enferm. [internet]. 2017 [acesso em 20 jan. 2020]; 26(3):e1590016. Disponível em https://doi.org/10.1590/0104-07072017001590016

Lüdke M, André MEDA. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU; 1986.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua [internet]. Brasília, DF: IBGE; 2019 [acesso em 13 abr. 2021]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101794_informativo.pdf

Maciel CECC, Treviso Neto O. Diretrizes para uso de mídias sociais nas bibliotecas universitárias da Associação Catarinense das Fundações Educacionais – ACAFE. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação [internet]. 2019 [acesso em 17 jan. 2020]; 15(2):388-409. Disponível em https://febab.emnuvens.com.br/rbbd/article/view/1222/1141

Provezano M. Qual a frequência ideal de postagem nas redes sociais? [internet]; 2017 [acesso em 27 jan. 2020]. Disponível em https://rockcontent.com/blog/frequencia-de-postagem-nas-redes-sociais/

Bennett WL, Segerberg A. The Logic of Connective Action. Information, Communication & Society [internet]. 2012 [acesso em 20 abr. 2021]; 15(5):739-68. Disponível em: https://doi.org/10.1080/1369118X.2012.670661

Boyd DM. Social Network Sites as Networked Publics: Affordances, Dynamics, and Implications. Networked Self: Identity, Community, and Culture on Social Network Sites; 2010.

Machado MAFS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS – uma revisão conceitual. Ciênc. saúde coletiva [internet]. 2007 [acesso em 15 jan. 2020]; 12(2):335-42. Disponível em scielosp.org/pdf/csc/2007.v12n2/335-342/pt

Ribeiro KG, Andrade LOM, Aguiar JB, Moreira AEM, Frota AC. Educação e saúde em uma região em situação de vulnerabilidade social: avanços e desafios para as políticas públicas. Interface (Botucatu) [internet]. 2018 [acesso em 26 jan. 2020]; 22(supl.1):1387-98. Disponível em https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0419

Melo T. Mídias sociais e redes sociais: o conceito da interação social [internet]; 2017. Disponível em https://medium.com/@tmddesigner/m%C3%ADdias-sociais-e-redes-sociais-o-conceito-da-intera%C3%A7%C3%A3o-social-c703d54fba8c

Torres C. A bíblia do marketing digital. São Paulo: Editora Novatec; 2009.

Miwa MJ, Serapioni M, Ventura CAA. A presença invisível dos conselhos locais de saúde. Saude soc. [internet]. 2017 [acesso em 25 jan. 2020]; 26(2):411-23. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0104-12902017170049

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira em 2015 [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2016 [acesso em 24 jan. 2020]. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf

Pessoas BHS, Gouveia EAH, Correia IB. Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife. RBMFC [internet]. 2017 [acesso em 18 jan. 2020]; 12(39):1-9. Disponível em https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1529




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n3p%25p

DOI (Sem título): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n3.3447g771

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS