COMUNICAÇÃO E PERCEPÇÕES SOBRE SAÚDE: O OLHAR DOS USUÁRIOS NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Autores

  • Carolina Lopes de Lima Reigada Médica de Família e Comunidade, preceptora da residência médica em Medicina de Família e Comunidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Valéria Ferreira Romano Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Professora Adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n2p13-19

Palavras-chave:

Estratégia Saúde da Família, Comunicação, Saúde, Trabalho

Resumo

A comunicação, em sua essência polissêmica, aciona sentidos diversos para usuários e profissionais de saúde, especialmente nas concepções que envolvem saúde, cuidado e processo de trabalho. O objetivo deste artigo é o de analisar a percepção de usuários de uma favela do município do Rio de Janeiro sobre o conceito de saúde e processo de trabalho ofertado pela equipe da Estratégia Saúde da Família localizada na mesma. Trata-se de um estudo qualitativo de abordagem sócioantropológica que utilizou entrevistas semiestruturadas com os usuários adscritos. Percebeuse que a disparidade entre as concepções abordadas movimentaram implicações diretas no processo de trabalho da equipe, gerando entre a população e os profissionais de saúde menos potência e mais desencontro.

Referências

Bakthin M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec; 1992.

Bordieu P. O Poder Simbólico. 9a ed. Rio de Janeiro: Editora; 2006.

Minayo MCS, Gomes SFDR. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Editora Vozes; 2012.

Minayo MCS. Saúde: concepções e políticas públicas. In: Amâncio Filho A, Moreira MCGB, organizadores. Saúde, trabalho e formação profissional. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1997: 138

Foucault M. O Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes; 2008.

Ferreira JR, Buss PM. Atenção Primária e Promoção da Saúde. In: Ministério da Saúde. As cartas de promoção à saúde. Brasília: Editora MS; 2002: 7-17.

Heidmann ITSB, Almeida MCP, Boehs AE, Wosny AM, Monticelli M. Promoção à saúde: trajetória histórica de suas concepções. Texto Contexto Enferm, 2006; 15(2): 352-8.

Mattos RA. A integralidade na prática. Cad. Saúde Pública 2004; 20(5):1411-1416.

Ayres, JRCM, Meyer, DEE, Mello, DF, Valadão, MM. Você aprende. A gente ensina? Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva da vulnerabilidade. Cadernos de Saúde Pública 2006; 22(6): 1335-1342.

Tesser CD. Medicalização Social e Atenção à Saúde no SUS. São Paulo: Hucitec; 2010.

Santos BS. Um Discurso sobre as Ciências. 7a. ed. São Paulo: ed. Cortez; 2010.

Merhy EE. A Cartografia do Trabalho Vivo. 3a ed. São Paulo: Hucitec; 2002.

Valla VV. Sobre participação popular: uma questão de perspectiva. Cadernos de Saúde Pública, 1998; 14 (Sup.2): 7-18.

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 36a. ed. São Paulo: Paz e Terra; 2007.

Baeninger R, organizador. População e Cidades subsidios para o planejamento e para as políticas sociais. Campinas: Núcleo de Estudos de População – Nepo/ UNICAMP; Brasília: UNFPA; 2010.

Ceccim RB. Pacientes impacientes: Paulo Freire. In: Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa (BR). Caderno de educação popular e saúde. Brasília: MS; 2007: 32-45.

Downloads

Publicado

2015-10-24

Edição

Seção

Artigos Originais