VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR: CAMINHOS PARA O ENFRENTAMENTO NA SAÚDE PÚBLICA

Adriana Carvalho dos Santos, Mara Lisiane de Moraes dos Santos, Débora Dupas G. Nascimento

Resumo


A violência é um assunto relevante na área da saúde, pois suas consequências causam grande impacto na integridade do indivíduo, afetando seu bem-estar físico, moral, espiritual e mental. A violência intrafamiliar, por sua vez, representa um importante desafio aos profissionais da saúde pública, que se sentem inseguros e despreparados para manejar essa situação. Frente a isso, o presente estudo se propôs a identificar como os serviços de saúde abordam as situações de violência intrafamiliar no cotidiano da prática. Tratase de uma pesquisa do tipo bibliográfica, realizada nos últimos cinco anos. Foram consultadas duas bases de dados, Lilacs e Scielo, e utilizados os descritores “violência” e “serviços de saúde”. Os 12 artigos que compuseram a amostra atenderam aos critérios de inclusão previamente estabelecidos. Constatou-se que a maioria dos autores optou pelo delineamento qualitativo e escolheu a entrevista para realizar a coleta de dados. Grande parte dos estudos foi desenvolvida na região Sudeste do País, tendo a amostra composta por profissionais de saúde, usuários e profissionais de outras áreas. Observou-se que a violência intrafamiliar é comumente relacionada à violência contra a mulher e a perspectiva diagnóstica do problema é amplamente discutida, apesar da escassez de relatos de experiência. Nota-se que os profissionais de saúde se sentem pouco habilitados para lidar com a questão e têm dificuldade para reconhecê-la como um problema de interesse epidemiológico e social, o que reflete no baixo número de notificações e impede a visualização dos efeitos desse fenômeno sobre os indivíduos, famílias e comunidades.


Palavras-chave


Violência; Violência Doméstica; Serviços de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Minayo MCS, Souza E R. Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. Hist. Cienc. Saúde -Manguinhos. 1997 Nov; 4(3): 513-531.

Minayo MCS. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Ciênc. Saúde Coletiva. 2007; 11(Sup): 1259-1267.

Ministério da Saúde (BR). Painel de Indicadores do SUS. Brasília: MS; 2008.

Dahlberg LL, Krug EG.. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 11(Sup) 1163-1178.

Souza MKB, Santana JSS. Concepções de enfermeiros gestores municipais de saúde sobre violência. Revista Enfermagem (UERJ). 2007 Jan-Mar; 15(1): 94-9.

Herrera C, Agoff C. Dilemas del profissional médico ante la violencia de pareja em México. Cad. Saúde Pública. 2006 Nov; 22(11): 2349-2357.

Moreira, TNF. A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de saúde da família [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Vigilância de Violências e Acidentes. Brasília: MS; 2007.

Waiselfisz JJ. Mapa da Violência 2012. Caderno complementar 1: homicídio de mulheres no Brasil. Instituto Sangari; 2012.

Dossi AP. Violência doméstica: o que se espera do profissional de saúde? [dissertação de mestrado]. Araçatuba: Faculdade de Odontologia; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº. 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Brasília: Diário Oficial da União; 2011.

Deslandes SF. O atendimento às vítimas de violência na emergência: “prevenção numa hora dessas?”. Ciênc. saúde coletiva; 1999; 4(1): 81-94.

Secretaria municipal da saúde (SP). Sistema de informação para a vigilância de violências e acidentes - SIVVA - Manual de Preenchimento Ficha de Notificação de Casos Suspeitos ou Confirmados Secretaria. São Paulo: SMS; 2007.

Cervo AL, Bervian PA. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall; 2002.

Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde [homepage na internet]. Acesso em 08 de dezembro 2013. Disponível em: http: http://lilacs.bvsalud.org.

Scientific Electronic Library Online [homepage na internet]. Acesso em 08 de dezembro 2013. Disponível em: http: http://www.scielo.org.

Berger SMD, Giffin KM. Serviços de saúde e a violência na gravidez: perspectivas e práticas de profissionais e equipes de saúde em um hospital público no Rio de Janeiro. Interface (Botucatu); 2011 Abr-Jun; 15(37): 391-405.

Cavalcanti MLT, Souza ER de. Percepções de gestores e profissionais de saúde sobre a atenção aos idosos vítimas de violências no município do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciênc. saúde coletiva. 2010 Set; 15(6): 2699-2708.

Granja E, Medrado B. Homens, violência de gênero e atenção integral em saúde. Psicol. Soc. 2009 Jan-Abr; 21(1): 25-34.

Hesler LZ, Costa MC da, Resta D G, Colomé I C S. Violência contra as mulheres na perspectiva dos agentes comunitários de saúde. Rev Gaúcha de Enferm. 2013 Mar; 34 (1): 180-186.

Pedrosa CM. A construção de uma ferramenta social para promoção da saúde e dos direitos das mulheres. Paidéia (Ribeirão Preto). 2009 Jan-Abr; 19(42): 123-129.

Sauret GV, Carneiro RM, Valongueiro S, Vasconcelos MGL de. Representações de profissionais da saúde sobre famílias de crianças e adolescentes vítimas de violência. Rev. Bras. Saude Mater. Infant.; 2011 Jul-Set; 11(3): 265-273.

Villela WV, Vianna LAC, Lima LFP, Sala DCP, Vieira TF, Vieira M L, et al. Ambiguidades e contradições no atendimento de mulheres que sofrem violência. Saude Soc. 2011 Jan-Mar; 20(1): p.113-123.

Schraiber LB, Barros CRS, Couto MT, Figueiredo WS, Albuquerque FP de. Homens, masculinidade e violência: estudo em serviços de atenção primária à saúde. Rev. Bras. Epidemiol. 2012 Dez; 15(4): 790-803.

Silva AG, Moraes CL, Reichenheim ME. Violência física entre parceiros íntimos: um obstáculo ao início do acompanhamento da criança em unidades básicas de saúde do Rio de Janeiro, Brasil?. Cad. Saúde Pública. 2012 Jan-Jul; 28(7): 1359-1370.

Vieira EM, Perdona GSC, Santos MA dos. Fatores associados à violência física por parceiro íntimo em usuárias de serviços de saúde. Rev. Saúde Pública. 2011 Ago; 45(4): 730-7.

Vieira LJES, Ferreira RC, Moreira GAR, Gondim APS, Araújo MAL, Silva RM da. Fatores associados a sobreposição de tipos de violência contra a mulher notificada em serviços sentinela. Rev. Latino-Am. Enfermagem; 2013 Jul-Ago; 21(4): [08 telas].

Lima MLC de, Souza ER de, Acioli RML, Bezerra ED. Análise dos serviços hospitalares clínicos aos idosos vítimas de acidentes e violências. Ciênc. saúde coletiva. 2010 Set; 15 (6): 2687-2697.

Marinheiro ALV, Vieira EM, Souza L de. Prevalência da violência contra a mulher usuária de serviço de saúde. Rev. Saúde Pública. 2006 Ago; 40 (4): 604-10.

Kind L, Orsini MLP, Nepomuceno V, Gonçalves L, Souza G A de, Ferreira M F F. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad. Saúde Pública. 2013 Set; 29(9): 1805-1815.

Kiss LB, Schraiber LB. Temas médico-sociais e a intervenção em saúde: a violência contra mulheres no discurso dos profissionais. Ciênc. saúde coletiva. 2011 Mar; 16(3): 1943-1952.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2015v1n2p21-30

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132015v1n2.589g38

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS