A PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE DEPENDENTE NOS CAPSAD: PROBLEMATIZANDO AS PRÁTICAS DE CUIDADO DOS USUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

Andressa Estauber, Cristian Fabiano Guimarães

Resumo


O objetivo deste trabalho é compreender quais processos de subjetivação se produzem com a utilização das técnicas para o tratamento da pessoa usuária de álcool e outras drogas nos CAPS ad, a fim de problematizá-los. Através da leitura esquizoanalítica da dependência química propomos enxergar o sujeito com potencialidades e não somente através da identidade dependente. A estratégia de pesquisa escolhida foi a cartografia, tendo em vista que ela permite acompanhar a composição/decomposição dos processos de subjetivação, as formas de captura e ruptura dos territórios existenciais.

Palavras-chave


Esquizoanálise; Coletivo; CAPS ad; Dependência Química.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil (2004). Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para a Atenção Integral a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Brasília: Ministério da Saúde. 2004.

Pratta EMM et al. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Psicologia: Teoria e pesquisa, Brasília, v. 25, n. 2, p. 203-211, 2009.

Forteski R, Faria JG. Estratégias de Redução de Danos: um exercício de equidade e cidadania na atenção a usuários de drogas. Revista Saúde Pública Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

Silva FC. Redução de Danos: campo de possibilidade para práticas não proibicionista em saúde. In.: Santos LMB. (Org.). Outras palavras sobre o cuidado de pessoas que usam drogas. Porto Alegre: Ideograf. Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul, 2010.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 2005.

Conselho Federal de Psicologia (2012). Drogas e Cidadania: em debate. Conselho Federal de Psicologia – Brasília: CFP, 2012.

Herzog A, Wendling MI. Percepções de psicólogos sobre os familiares durante o tratamento de dependentes químicos. Aletheia: Canoas, 2013.

Shimoguiri AFDT, Périco W. O Centro de Atenção Psicossocial como dispositivo social de produção de subjetividade. Revista de Psicologia da UNESP, Assis, 2014.

Vasconcelos MFF, Morschel A. O apoio institucional e a produção de redes: do desassossego dos mapas vigentes na Saúde Coletiva. Revista Interfaces, Botucatu, 2009.

Foucault M. A história da sexualidade I: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

Dias RM. Do asilo ao CAPSad: lutas na saúde, biopoder e redução de danos. 2008. 158 f. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense, Departamento de Psicologia, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, 2008.

Chevitarese L, Pedro RMR. Da sociedade disciplinar à sociedade de controle. Estudos de Sociologia. Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, Recife, 2014.

Deleuze G. Controle e devir. ln: Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Debate: Rio de Janeiro, 2014.

Pélbart PP. Manicômio mental – A outra face da clausura. In: LANCETTI, A. (Ed.). Saúde Loucura 2: Saúde Mental e Saúde da Família. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

Corrêa SL.Esquizoanálise: clínica e subjetividade. Avesso do Avesso, Araçatuba, 2006.

Guimarães CF. O coletivo na saúde. Porto Alegre: Rede Unidas, 2016.

Deleuze G, Guattari F. Kafka – Por uma literatura menor. Rio de Janeiro: IMAGO Editora LTDA, 1977.

Deleuze G, Guattari F. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: 34. ed., 1992.

Rolnik S. Cartografia Sentimental. Transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade; 1989.

Filho KP, Teti MM. A cartografia como método para as Ciências Humanas e Sociais. Barbarói, Santa Cruz do Sul, 2013.

Costa LP. Fissurando políticas: uma cartografia dos afetos entre a Assistência Social e a Saúde na atenção ao uso prejudicial de drogas. 2013. 237 f. Dissertação Mestrado – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Psicologia, 2013.

Matines WRV, Machado A, Colvero LAA cartografia como inovação metodológica na pesquisa em saúde. Tempus Actas de Saúde Coletiva, São Paulo,2013.

Passos EH, Souza T P. Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia Social, São Paulo, 2011.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n3p273-283

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132017v3n3.827g167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS