DESVIOS, DEVIRES E CARTOGRAFIAS DA CLÍNICA “PSI” NA ATUALIDADE

Flora De Camillis Fraga, Cristian Fabiano Guimarães

Resumo


O presente artigo coloca em discussão a problematização da clínica “psi” tradicional, que é calcada no poder absoluto do cientificismo. Suas descobertas foram através da classificação e identificação de doenças em hospitais, dando origem ao diagnóstico nosológico. Em contrapartida desta clínica tradicional, a clínica desviante entende que mudanças criativas nos encontros entre terapeuta e paciente provocam transbordamentos e deslocamentos da dupla. Pensamento e prática não estão dissociados, portanto clínica e psicologia também não estão. A pesquisa ainda problematiza sobre os poucos espaços ocupados por profissionais “psis”. O método utilizado para abordar este assunto foi a cartografia, que potencializa tanto a escrita quanto as experiências.


Palavras-chave


saúde coletiva, psicologia clinica, cartografia

Texto completo:

PDF

Referências


Romagnoli R. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, 2009; 21(2):166-173.

Foucault M. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária; 2011. 7ed.

Scheneider D. Novas perspectivas para a Psicologia Clínica - um estudo a partir da obra ‘Saint Genet: comédien et martyr’ de Jean-Paul Sartre. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo; 2002.

Pelbart P. A gorda saúde dominante. In: A vertigem por um fio: Políticas da Subjetividade Contemporânea. São Paulo: Editora Iluminuras; 2000:63-82.

Guattari F, Rolnik S. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Editora Vozes; 1986. 4ed.

Guattari F. Revoluções Moleculares: Pulsões Políticas do Desejo. São Paulo: Editora Brasiliense; 1986. 3ed.

Costa L, Redin M. Clínica e klínica: A psicologia e suas outras maneiras de habitar o espaço. SETREM, jan/jun 2007; VI(10).

Rolnik S. Novas figuras do caos, mutações da subjetividade contemporânea. In: III Congresso Internacional Latino-Americano de Semiótica; 1996b, São Paulo. Anais... São Paulo: PUC-SP.

Winter L et al. Da amizade Nietzschiana: por uma psicologia nômade. Alegrar, Campinas, 13(13):01-20,

LANCETTI, A. Clínica Peripatética. 9. ed. São Paulo: Editora HUCITEC, 2006.

ROLNIK, S. Inconsciente Antropofágico. In: Colóquio Encontros Internacionais Gilles, 1995.

Deleuze, 1996, Rio de Janeiro, São Paulo. Anais... Rio de Janeiro, São Paulo: Editora 34, 1996a.

Rolnik S. Toxicômacos de identidade, subjetividade em tempos de globalização. Folha de São Paulo, São Paulo; 1996c.

Baremblitt G. Saúdeloucura. São Paulo: HUCITEC; 1997. v.5. 4ed.

Cunha G. A construção da clínica ampliada na atenção básica. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Especialização multiprofissional em saúde da família. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2012.

Rolnik S, Deleuze G. Esquizoanalista. São Paulo; 1995. Disponível em: . Acesso em: 23 out 2015.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2016v2n1p73-80

DOI (PDF): https://doi.org/10.18310/2446-48132016v2n1.664g82

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS