UM MOVIMENTO DE RETERRITORIALIZAÇÃO COMO CAMINHO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: REFLEXÕES CARTOGRÁFICAS DE UMA ESTRANGEIRA NA SAÚDE COLETIVA

Autores

  • Janaina Matheus Collar Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
  • Izabella Barison Matos

DOI:

https://doi.org/10.18310/2446-4813.2017v3n4p325-338

Palavras-chave:

Violência doméstica contra mulher, territorialização, cartografia, Lei Maria da Penha.

Resumo

Este artigo tem como objetivo trazer a cena a violência doméstica contra a mulher, após dez anos da Lei Maria da Penha, propondo um olhar pós violência, através do questionamento de quem é esta mulher? O que ela deseja? O que pode fazer? Neste contexto a escrita se desenvolve através do relato de experiência, com o cartografar de uma estrangeira na Saúde Coletiva, propondo a reterritorialização como um caminho possível pós episódios de violência. Construo a minha caixa de ferramentas como pesquisadora em Saúde Coletiva, utilizando as obras de Sueli Rolnik (2012): Cartografia Sentimental, Alcindo Antônio Ferla (2007): Clínica em movimento: cartografia do cuidado em saúde, e Emerson Elias Merhy (2002): Cartografia do Trabalho Vivo, como forma de estruturar minha trajetória. E no final desta análise acredito que um caminho possível seja composto por uma equipe multiprofissional com a produção de rede para/de acolhimento e escuta qualificada. E assim, as mulheres vítimas de violências doméstica, farão parte desta engrenagem e poderão fomentar o seu reterritorializar.

Biografia do Autor

Janaina Matheus Collar, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil

Este artigo tem como objetivo trazer a cena a violência doméstica contra a mulher, após dez anos da Lei Maria da Penha, propondo um olhar pós violência, através do questionamento de quem é esta mulher? O que ela deseja? O que pode fazer? Neste contexto a escrita se desenvolve através do relato de experiência, com o cartografar de uma estrangeira na Saúde Coletiva, propondo a reterritorialização como um caminho possível pós episódios de violência. Construo a minha caixa de ferramentas como pesquisadora em Saúde Coletiva, utilizando as obras de Sueli Rolnik (2012): Cartografia Sentimental, Alcindo Antônio Ferla (2007): Clínica em movimento: cartografia do cuidado em saúde, e Emerson Elias Merhy (2002): Cartografia do Trabalho Vivo, como forma de estruturar minha trajetória. E no final desta análise acredito que um caminho possível seja composto por uma equipe multiprofissional com a produção de rede para/de acolhimento e escuta qualificada. E assim, as mulheres vítimas de violências doméstica, farão parte desta engrenagem e poderão fomentar o seu reterritorializar.

Referências

AMADOR, Fernanda; FONSECA, Tânia Maria Galli. Da intuição como método filosófico à cartografia como método de pesquisa – considerações sobre o exercício cognitivo do cartógrafo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 2009; 61(1):30-37.

ATHAYDE, Maria Cristina de O. O cartógrafo e as noivinhas. História Unisinos, 2009; 13(3):314-317.

COLLAR, Janaina Matheus; MATOS, Izabella Barison. O que revela a produção científica da Saúde Coletiva, após dez anos de Maria da Penha. 2018. [no prelo]

BRUSCHIL, Alessandra; PAULALL, Cristiane Silvestre de; BORDINL, Isabel Altenfelder Santos. Prevalência e procura de ajuda na violência conjugal física ao longo da vida. Rev Saúde Pública 2006;40(2):256-64.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil Platôs. 2ed. São Paulo: Editora 34, 1996. v.1.

DONNE, John. Por quem os sinos dobram? Eles dobram por ti. 1764. In.: DIAS, Elder. Sinos que unem John Donne, Hemingway e Raul Seixas. Revista Bula. Copyringht 2017.

FERLA, Alcindo Antônio. Clínica em movimento: cartografia do cuidado em saúde. 1. ed. Caxias do Sul: EDUCS, 2007.

FOUFAULT, Michel. Verdade e Poder. In.: ______. Microfísica do poder. Org, Introd e Rev Técnica de Roberto Machado. 26ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979, p. 01-14.

KASTRUP, Virgínia; PASSOS, Eduardo; ESCÓSSIA, Lilian.: Apresentação. In.: ______. Pistas do método da cartografia: pesquisa-invenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.07-16.

KIND, Luciana et al. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2013; 29(9):1805-1815.

MENEGHEL, Stela Nazareth et al. Rotas críticas de mulheres em situação de violência: depoimentos de mulheres e operadores em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2011; 27(4):743-752.

MERHY, Emerson Elias. Saúde: a cartografia do Trabalho Vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.

______. Entrevista à Rede UNIDA, 2011. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=Pa0HadRt5ns>. Acesso em: 16 dez 2015.

MOREIRA, Simone da Nóbrega Tomaz et al. Violência física contra a mulher na perspectiva de profissionais de saúde. Rev Saúde Pública 2008;42(6):1053-9

OSIS, Maria José Duarte, DUARTE, Graciana Alves, FAÚDES, Aníbal. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais Rev Saúde Pública 2012;46(2):351-8.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SALIBA, Orlando. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Pública, 2007;41(3):472-7.

SIGNORELLI, Marcos Claudio; AUAD, Daniela; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil (CSP). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2013; 29(6):1230-1240.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2015. Homicídios de mulheres no Brasil. São Paulo. Instituto

Downloads

Publicado

2018-01-03

Edição

Seção

Artigos Originais