Baixo peso ao nascer e fatores associados ao pré-natal: estudo seccional em uma maternidade de referência de Macaé

Jane de Carlos Santana Capelli, Camilla Medeiros Macedo da Rocha, Luana Silva Monteiro, Naiara Sperandio, Alexandra da Silva Anastacio, Silvia Pereira, Cleber Nascimento do Carmo, Maria Fernanda Larcher de Almeida

Resumo


Objetivos: Estimar a associação entre o baixo peso ao nascer (BPN) e os fatores socioeconômicos, demográficos e assistência pré-natal de puérperas atendidas em uma maternidade de referência de Macaé. Métodos: Realizou-se um estudo seccional, descritivo, de bases primária e secundária na maternidade de um hospital público do município, entre agosto e dezembro de 2014. Realizou-se uma análise múltipla de correspondências para descrição e elaboração de perfil multivariado entre as variáveis socioeconômicas, demográficas e assistência pré-natal com o BPN. Resultados: Foram entrevistadas 105 puérperas, com idade média de 25,5 anos e observou-se 8,6% de BPN. O perfil multivariado sinalizou que recém-nascidos com BPN tendem a ser aqueles cuja mãe apresentou baixo peso pré-gestacional, renda inferior a um salário mínimo, realizou menos de 6 consultas de pré-natal e idade gestacional a termo. Conclusão: O BPN foi associado ao baixo peso pré-gestacional materno, baixa renda familiar (inferior a 1 salário mínimo) e o número de consultas pré-natal (<6).


Palavras-chave


Baixo Peso ao Nascer; Saúde da Criança; Maternidade.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


World Health Organization. Global targets 2025. To improve maternal, infant and young child nutrition. [Acessed 17 Jun 2018]. Available: http://www.who.int/nutrition/topics/nutrition_ globaltargets2025/en/.

Demitto MO, Gravena AAF, Dell’Agnolo CM, Antunes MB, Pelloso SM. High risk pregnancies and factors associated with neonatal death. Rev Esc Enferm USP. 2017; 51:e03208.

Capelli JCS, Pontes JS, Pereira SEA, Silva, AAM, Carmo CN, Boccolini CS, Almeida MFL. Peso ao nascer e fatores associados ao período pré-natal: um estudo transversal em hospital maternidade de referência. Cienc Saude Coletiva. 2014; 19(7):2063-2072.

Kramer MS. Determinants of low birth weight: methodological assessment and meta-analysis. Bull World Health Organ. 1987; 65(5):663-737.

Lima GSP, Sampaio HAC. Influência de fatores obstétricos, socioeconômicos e nutricionais da gestante sobre o peso do recém-nascido: estudo realizado em uma maternidade em Teresina, Piauí. Rev Bras Saúde Matern Infant, Recife. 2004; 4(3):253-261.

Tourinho AB, Reis LBSM. Peso ao Nascer: Uma Abordagem Nutricional. Com Cienc Saude. 2013; 22(4):19-30.

Ferraz TR, Neves ET. Fatores de risco para baixo peso ao nascer em maternidades públicas: um estudo transversal. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(1):86-92.

Resolution WHA65.6. Comprehensive implementation plan on maternal, infant and young child nutrition. In: Sixty-fifth World Health Assembly Geneva, 21–26 May 2012. Resolutions and decisions, annexes. Geneva: World Health Organization; 2012:12–13 [Acessed 17 Jun 2018]. Available: http://www.who.int/nutrition/ topics/WHA65.6_resolution_en.pdf?ua=1.

Mendes CQS, Cacella BCA, Mandetta MA, Balieiro MMFG. Low birth weight in a municipality in the southeast region of Brazil. Rev Bras Enferm. 2015;68(6):857-63

Carniel EF, Zanolli ML, Antônio MARGM, Morcillo AM. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das Declarações de Nascidos Vivos. Rev Bras Epidemiol. 2008; 11(1):169-179.

WHO/NMH/NHD/14.5. Global Nutrition Targets 2025 Low Birth Weight Policy Brief. [Acessed Jun 26 2018]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/149020/2/WHO_NMH_NHD_14.5_eng.pdf?ua=1.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 384 p.: il.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Macaé. Rio de Janeiro. Cidades [Internet]. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2016. [Acesso em 6 Nov 2017]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil. php?codmun=330240.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do SUS – DATASUS/Estatísticas Vitais. Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SINASC, 2014. [Acesso 10 Set 2017]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvrj.def.

Institute of Medicine. National Research Council. Weight Gain During Pregnancy: Reexamining the Guidelines. Washington (DC): National Academy of Science, 2009.

Puffer RR, Serrano C. Patterns of birth weight. PAHO Scientific Publication nº 504, Washington, DC: PAHO, 1987.

World Health Organization (WHO), United Nations Children's Fund (Unicef). Low birthweiight: contry, regional and global estimates. New York: WHO, Unicef; 2004.

Sally EOD, Werneck GL. Desigualdade econômica e baixo peso ao nascer em Niterói, Rio de Janeiro. Cad Saude Colet. 2010; 18(2):282-90.

Vettore MV, Gama SG, Lamarca GA, Schilithz AO, Leal MC. Housing conditions as a social determinant of low birthweight and preterm low birthweight. Rev Saude Publica. 2010; 44(6):1021-31.

Coimbra LC, Silva AAM, Mochel EG, Alves MTSSB, Ribeiro VS, Aragão VMF, Bettiol H. Fatores associados à inadequação do uso da assistência pré-natal. Rev Saude Publica 2003; 37(4):456-462.

Gonçalves CV, Cesar JA, Mendoza-Sassi RA. Qualidade e eqüidade na assistência à gestante: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saude Publica 2009; 25(11):2507-2516.

Lima MCBM, Oliveira GS, Lyra CO, Roncalli AG, Ferreira MAF. A desigualdade espacial do baixo peso ao nascer no Brasil. Cienc Saude Coletiva. 2013; 18(8):2443-2452.

Silva AAM, Silva LM, Barbieri MA, Bettiol H, Carvalho LM, Ribeiro VS, Goldani MZ. The epidemiologic paradox of low birth weight in Brazil. Rev Saude Publica. 2010; 44(5):767-775.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 569, de 1º junho 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Diário Oficial da União, Brasília (DF) 2000. Jun 8; Sec.1.

Ӧ Tuncalp, WM Were, C MacLennan OT Oladapo, AM G€ulmezoglu, R Bahl, B Daelmans,bM Mathai, L Say, F Kristensen,M Temmerman, F Bustreo. Quality of care for pregnant women and newborns—the WHO vision. BJOG. 2015. 1222(8):1045-9.

Halpern R, Schaefer ES, Pereira AS, Arnt EM, Bezerra JPV, Pinto LS. Fatores de risco para o baixo peso ao nascer em uma comunidade rural do sul do Brasil. J Pediatr. 1996; 72(6):369-73.

Ramakrishman U. Nutrition and low birth weight: from research to practice. Am J Clin Nutr. 2004; 79(1):17-21.

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MI, Pérez-Escamilla R. Breastfeeding during the first hour of life and neonatal mortality. J Pediatr. 2013; 89(2):131-136.

Machado, CV. O papel federal no sistema de saúde brasileiro. In: Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 – prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: organização e gestão do sistema de saúde [online]. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. v. 3. 35-70pp.

Organização Panamericana de Saúde. Estratégia global para a saúde das mulheres, das crianças e dos adolescentes (2016-2030). [Acesso 17 Jul 2018]. Disponível em: http://www.everywomaneverychild.org/wp-content/uploads/2017/10/EWEC_Global_Strategy_PT_inside_LogoOK2017_web.pdf.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n1p163-173

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n1.2342g495

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS