Cargos de Gestão em Saúde: a (in)visibilidade de Gênero, Raça e Profissão

Virgínia de Menezes Portes, Daniela Dallegrave

Resumo


Objetivo: Este estudo objetiva conhecer as características dos profissionais que ocuparam os cargos de diretoria de um hospital de grande porte localizado na região sul do país e vinculado ao Ministério da Saúde entre 1975 até 2015, além de analisar as políticas de equidade e inclusão em cargos de gestão nas instituições de saúde. Método: Foram analisadas as variáveis de gênero, raça e profissão a partir da abordagem quantitativa e qualitativa dos profissionais que ocuparam cargos de gestão na Diretoria, realizada em três etapas: 1) coleta de informações sobre o perfil dos Diretores; 2) realização da entrevista com membro da secretaria executiva da diretoria; 3) realização de entrevistas com dois membros das comissões de igualdade. Resultados: Foram analisadas as características de 47 diretores no período de 1975 a 2015, sendo 96% homens e apenas 4% mulheres. Nenhum deles era negro. Em relação à profissão, a maioria era médico (70,2%), seguido de advogados (12,7%). Deste total, 53,2% profissionais não eram funcionários do hospital. Conclusão: Por fim, identificou-se que não há políticas institucionais que garantam equidade no acesso aos cargos de tomada de decisão, no que diz respeito à raça, gênero e profissão.  Além disso, o combate às desigualdades de gênero e raça está fortemente direcionado ao cuidado com o usuário, não priorizando o olhar para o percurso dos trabalhadores na instituição. Entende-se que discutir equidade de raça e gênero na sociedade está no centro dos atuais debates emergentes mundiais.


Palavras-chave


Gestão em Saúde; Identidade de Gênero; Raça; Ocupações em Saúde

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Costa SM, Durães SJA, Abreu MHNG. Feminização do curso de odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15(1):1865-73.

Grupo Hospitalar Conceição [homepage na internet]. Quem somos [Acesso em 04/04/2015]. Disponível em: https://www.ghc.com.br/default.asp?idMenu=institucional&idSubMenu=1.

Campos GWS, Campos RTO. Gestão em Saúde. Dicionário da Educação Profissional em Saúde, 2009. [Acesso em 15 de agosto de 2014]. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/gessau.html

Colaco H, Myers P, Nitkin M. Pathways to leadership: board independence, diversity and the emerging pipeline in the United States for women directors. International Journal of Disclosure and Governance, New York, v. 8, n. 2, p. 122-147, 2010.

Oakley JD. Gender-based barriers to senior management positions: understanding the scarcity of female CEO’s. Journal of Business Ethics, v. 27, n 4, p. 321-334, 2000.

Scott J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação & Realidade (2), Porto Alegre, 1995, pp. 71-99.

Petersen AT. Trabalhando no banco: trajetória de mulheres gaúchas desde 1920. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

England P, Farkas G. Household, Employment and Gender: A Social, Economic and Demographic View. Nova Iorque, Aldine de Gruyter; 1986.

Banton M. A Ideia de Raça. Lisboa: Edições 70; 1979.

Wade P. Raza e Etnicidade em Latinoamérica. Quito: Abya Yala; 2001.

Carneiro AS. A Construção do outro como Não-Ser como Fundamento do Ser. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2005. Tese de Doutorado em Educação.

Foucault M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro. Graal; 1999 (1976).

Lorenzetti J, Lanzoni, GMM, Assuiti LFC, Pires DEP, Ramos FRS. Gestão em Saúde no Brasil: diálogo com gestores públicos e privados. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 23, n 2: 417-25, 2014.

Couto M, Santos BS. Entrevistas em Seminário de 80 anos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre em 05 de setembro de 2014.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Hucitec-Abrasco; 2014.

Bruschini C, Ricoldi AM, Mercado CM. Trabalho e gênero no Brasil até 2005: uma comparação regional. In: Costa et al. Mercado de Trabalho e gênero: comparações Internacionais. Rio de Janeiro: Editora FGV; 2008. p. 15-33.

Wermelinger M, Machado MH, Tavares MFL; Oliveira ES, Moysés NMN. A Força de Trabalho do Setor de Saúde no Brasil: Focalizando a Feminização. Revista Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n.45, p. 54-70, 2010.

Anjos JCG. Etnia, raça e saúde: sob uma perspectiva nominalista. In: Monteiro S, Sansone L (Orgs.). Etnicidade na América Latina: um debate sobre raça, saúde e direitos reprodutivos. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2004. p. 97-120.

López LC. The concept of institutional racism: applications within the healthcare field. Interface - Comunic., Saude, Educ. 2012; (16): 121-134.

Feuerwerker LCM, Cecílio LCO. O hospital e a formação em saúde: desafios atuais. Ciência & Saúde Coletiva. 2007; (4): 965-971.

Fonseca RMGS. Eqüidade de gênero e saúde das mulheres. Rev. Esc. Enferm USP. 2005; (4): 450-459.

Silva J et al. A promoção a igualdade racial em 2006 e o Programa de Combate ao Racismo Institucional. In: Jaccoud L. (Org.). A construção de uma política de promoção da igualdade racial: uma análise dos últimos vinte anos. Brasília: Ipea; 2009. p.147-70.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD Contínua. Mercado de Trabalho Brasileiro - 4º trimestre de 2017, 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/08933e7cc526e2f4c3b6a97cd58029a6.pdf

Silva VR. Futuro da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial preocupa movimento negro. Gênero e Número. Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2018. Disponível em: http://www.generonumero.media/futuro-da-secretaria-nacional-de-politicas-de-promocao-da-igualdade-racial-preocupa-movimento-negro/.

Hasenbalg CA. Discursos sobre raça: pequena crônica de 1988. Estudos Afro-asiáticos. Graal. 1991; (20): 187-195.

Jaccoud L. Racismo e República: o debate sobre o branqueamento e a discriminação racial no Brasil. In: Theodoro M (Org.). As políticas públicas e as desigualdades raciais no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA; 2008. p. 49-68.

Grossi MP. Masculinidades uma revisão teórica. Antropologia em primeira mão. 1995; (1): 1-37.

Oliveira PP. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora da UFMG; 2004.

Hirata H, Kergoat D. Novas Configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa. 2007; (37): 595-609.

Brasil. Lei 13.257, de 08 de março de 2016. Dispõe sobre sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012. Diário Oficial da União. 09 de mar 2016.

Cappelin P. Política de Igualdade de oportunidades: grandes empresas no Brasil e na Europa (1996-2006). In: Costa et al (Org.). Mercado de Trabalho e gênero: comparações Internacionais. Rio de Janeiro: Editora FGV; 2008. p. 125-140.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2020v6n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132020v6n2.2531g518

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS