Cuidado sem Fronteiras: o movimento migratório de venezuelanos em Roraima e os dispositivos de governamentalidade

Tulio Batista Franco

Resumo


Este texto discute a crise migratória vivida em 2018 em Roraima, a partir do alto fluxo de migrantes procedentes da Venezuela. Inicia contextualizando o encontro “Cuidado Sem Fronteiras” realizado pela Rede Unida em Boa Vista-RR, em agosto daquele ano. O debate é feito a partir de três linhas de análise que combinam entre si. A primeira é uma rápida exposição das normas, em especial os tratados internacionais no âmbito da OEA que afirmam os direitos dos imigrantes; a segunda discute a forma híbrida dos que se deslocam, migrante e nômade, e analisa o processo de desterritorialização pelo qual passam, e a tensão proveniente da dificuldade de catalogação, classificação e controle do estado sobre os mesmos; a terceira vai analisar os dispositivos de governamentalidade que operam para o governo dos imigrantes. O texto serve para colocar em debate o movimento migratório atual, tentando entender as pessoas e o funcionamento dos mecanismos de governo diante deste fenômeno.


Palavras-chave


Saúde do Imigrante, Imigrantes, Refugiados, Governamentalidade

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Site G1 de notícias: https://g1.globo.com/rr/roraima/noticia/2018/08/19/pacaraima-tem-ruas-desertas-apos-confronto-entre-brasileiros-e-venezuelanos.ghtml (acesso em dezembro de 2018).

Foucault, Michel. O Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

www.acnur.org (acesso em dezembro de 2018).

Corsini, Leonora. Entre o Migrante e o Nômade – Intermezzo. Revista Lugar Comum, No. 23-24. 2008, pág. 114.

Deleuze, Gillez & Guattari, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1997, pág. 14.

Rolnik, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Editora Sulina, 2002.

Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz: https://portal.fiocruz.br/noticia/orientacoes-para-vacinacao-contra-sarampo (acesso em dezembro de 2018).




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2019v5n1p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132019v5n2.2275g382

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS