Internações por condições sensíveis a atenção primária: revisão qualitativa da literatura científica brasileira.

Edson Malvezzi

Resumo


O Sistema Único de Saúde vem enfrentando a fragmentação do cuidado com a formulação de propostas que visam a integração e a integralidade das ofertas de serviços e ações de cuidado centrados nas necessidades de saúde da população. Uma destas é a adoção da Atenção Primária em Saúde como ordenadora do sistema, buscando a racionalidade e coordenação na utilização dos demais níveis assistenciais. Um dos grandes desafios é a integração entre os serviços, onde se destaca o distanciamento entre as Unidades Básicas de Saúde e os Hospitais. Neste sentido, um conceito que vem sendo utilizado para avaliar esta relação é o de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Este trabalho tem como objetivo explorar as diferentes abordagens e apresentar os sentidos e usos atribuídos ao indicador ICSAP no Brasil, através de uma revisão da literatura nacional, de cunho qualitativo, entendida como um estudo exploratório da produção do conhecimento acerca do tema, privilegiando-se o artigo científico como fonte de análise. Os resultados apontam para a importância que o uso deste indicador vem ganhando na avaliação da Atenção Primária, porém com alguns aspectos ainda a serem superados para seu uso, tais como a sua formula de cálculo e acesso ao banco de dados, e de que não há consenso sobre a correlação inversa entre a cobertura da Atenção Primária e as ocorrências de internações por CSAP.


Palavras-chave


Saúde Coletiva; Sistema de Saúde; Serviços de Saúde; SUS

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Capra F. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 2001. 445 p.

Batista PSS. A valorização da espiritualidade nas práticas de educação popular em saúde desenvolvidas na atenção básica. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, 4 (3): 94-102, 2010.

RIPSA – Rede Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores e dados básicos para a Saúde no Brasil (IDB). Brasília: OPAS / Ministério da Saúde; 2014.

Elias FTS. A importância da Avaliação de Tecnologias para o Sistema Único de Saúde. BIS, Bol. Inst. Saúde, São Paulo, 14(2), 2013.

Camargo Junior KR. Biomedicina, saber e ciência: uma abordagem crítica. São Paulo: Hucitec, 2003.

Sales CM. Possibilidades e limites de execução das ações de promoção da saúde nos moldes da educação popular em saúde na estratégia saúde da família. 2009. 162f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde). Faculdade de Ciências da Saúde. Universidade de Brasília, 2009.

Santos NR. Política pública de saúde no Brasil: encruzilhada, buscas e escolhas de rumos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 13(supl.2):2009-2018, 2008.

Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet, 377(9779):11-31, 2011.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS: avanços e desafios. Brasília: CONASS; 2006.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Anexo XXII da Portaria de Consolidação GM/MS nº 02, de 28 de setembro de 2017 que dispõe sobre a consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, p. 129-141, 03 out. 2017. Seção 1 - Suplemento.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção primária e promoção da saúde. Brasília: CONASS, 2007. (Coleção Progestores – para entender a gestão do SUS, 8).

Lavergne MR, McGrail K. What, if anything, does amenable mortality tell us about regional health system performance? Healthcare Policy, 8(3):79-90, 2013.

Moreno AB et al. Internações hospitalares por condições sensíveis à atenção ambulatorial: algoritmo de captura em registro integrado de saúde. Cadernos de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 17(2):409-416, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS Portaria nº 221, de 17 de abril de 2008. Publica a lista brasileira de internações por condições sensíveis a atenção primária. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, p. 70-71, 18 abr. 2008. Seção 1.

Junqueira RMP, Duarte EC. Internações hospitalares por causas sensíveis à atenção primária no Distrito Federal, 2008. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 46(5):761-768, 2012.

Alfradique ME et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP - Brasil). Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(6):1337-1349, 2009.

Nedel FB et al. Características da atenção básica associadas ao risco por condições sensíveis à atenção primária: revisão sistemática da literatura. Epidemiol. serv. Saúde, 19(1):61-75, 2010.

Mendonça CS, Harzheim E, Duncan BB, Nunes LN, Leyh W. Trends in hospitalizations for primary care sensitive conditions following the implementation of Family Health Teams in Belo Horizonte, Brazil. Health Policy Plan, 27(4):348-355, 2012.

Nedel FB, Facchini LA, Bastos JL, Martin-Mateo M. Aspectos conceituais e metodológicos no estudo das hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária. Cien Saude Colet, 16(Supl.1):1145-1154, 2011.

Macinko J, Oliveira VB, Turci MA, Guanais FC, Bonolo PF, Lima-Costa MF. The influence of primary care and hospital supply on ambulatory care-sensitive hospitalizations among adults in Brazil, 1999-2007. Am J Public Health, 101(10):1963-1970, 2011.

Dias-da-Costa JS, Büteenbender DC, Hoefel AL, Souza LL. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária nos municípios em gestão plena do sistema no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Publica, 26(2): 358-364, 2010.

Fernandes VBL, Caldeira AP, Faria AA, Rodrigues Neto JF. Internações sensíveis na atenção primária como indicador de avaliação da Estratégia Saúde da Família. Rev Saude Publica, 43(6):928-36, 2009.

Elias E, Magajewski F. A atenção primária à saúde no sul de Santa Catarina: uma análise das internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial, no período de 1999 a 2004. Rev Bras Epidemiol, 11(4):633-47, 2008.

Rehem TCMSB, Egry EY. Internações sensíveis às condições da Atenção Primária no estado de São Paulo. Cien Saude Colet, 16(12):4755-4766, 2011.

Caminal Homar J, Casanova Matutano C. La evaluación de la atención primaria y las hospitalizaciones por ambulatory care sensitive conditions. Marco conceptual. Aten Primaria, 31(1):61-65, 2003.

Pereira FJR, Silva CC, Lima Neto EA. Condições sensíveis à atenção primária: uma revisão descritiva dos resultados da produção acadêmica brasileira. Saúde Debate. 38(n.especial):331-342, 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, SP: Hucitec, 2008.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Rehem TCMSB, Oliveira MRF, Ciosak SI, Egry EY. Registro das internações por condições sensíveis à atenção primária: validação do sistema de informação hospitalar. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 21(5):[06 telas], 2013.

Castro ALB, Andrade CLT, Machado CV, Lima LD. Condições socioeconômicas, oferta de médicos e internações por condições sensíveis à atenção primária em grandes municípios do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 31(11):2353-2366, 2015.

Pazó RG, Frauches DO, Molina MCB, Cade NV. Modelagem hierárquica de determinantes associados a internações por condições sensíveis à atenção primária no Espírito Santo, Brasil, Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(9):1891-1902, 2014.

Rodrigues-Bastos RMA, Campos SEM, Ribeiro LC, Bastos-Filho MG, Bustamante-Teixeira MT. Internações por condições sensíveis à atenção primária, Minas Gerais, 2000 e 2010. Rev Saúde Pública, 48(6):958-967, 2014.

Ceccon RF, Meneghel SN, Viecili PRN. Internações por condições sensíveis à atenção primária e ampliação da Saúde da Família no Brasil: um estudo ecológico. Rev. bras. epidemiol., 17(4):968-977, 2014.

Avelino CCV, Goyatá SLT, Nogueira DA, Rodrigues LBB, Siqueira SMS. Qualidade da atenção primária à saúde: uma análise segundo as internações evitáveis em um município de Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(4):1285-1293, 2015.

Mendonça SS, Albuquerque EC. Perfil das internações por condições sensíveis à atenção primária em Pernambuco, 2008 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 23(3):463-474, 2014.

Cardoso CS, Pádua CM; Rodrigues-Júnior, AA, Guimarães DA, Carvalho SF, Valentin RF, Abrantes R, Oliveira CL. Contribuição das internações por condições sensíveis à atenção primária no perfil das admissões pelo sistema público de saúde. Rev. panam. salud pública, 34(4):227-234, 2013.

Rodrigues-Bastos RMA, Campos SEM, Ribeiro LC, Firmino RUR, Bustamante-Teixeira MT. Internações por condições sensíveis à atenção primária em município do sudeste do Brasil. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, 59(2):120-127, 2013.

Rehem TCMSB, Oliveira MRF, Amaral TCL, Ciosak SI, Egry EY. Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária em uma metrópole brasileira. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, 47(4):884-890, 2013.

Campos AZ, Theme-Filha MM. Internações por condições sensíveis à atenção primária em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, 2000 a 2009. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28(5):845-855, 2012.

Ferreira M, Dias BM, Mishima SM. Internações por condições sensíveis: possibilidade de avaliação na atenção básica. Rev. Eletr. Enf., 14(4):760-70, 2012.

Pazó RG., Frauches DO, Galvêas DP, Stefenoni AV, Cavalcante ELB, Pereira-Silva FH. Internações por condições sensíveis à atenção primária no Espírito Santo: estudo ecológico descritivo no período 2005-2009. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 21(2):275-282, 2012.

Batista SRR, Jardim PCBV, Sousa ALL, Salgado CM. Hospitalizações por condições cardiovasculares sensíveis à atenção primária em municípios goianos. Rev. Saúde Pública, 46(1):34-42, 2012.

Marques AP, Montilla DER, Almeida WS, Andrade CLT. Internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 48(5):817-826, 2014.

Santos VCF, Kalsing A, Ruiz ENF, Roese A, Gerhardt TE. Perfil das internações por doenças crônicas não-transmissíveis sensíveis à atenção primária em idosos da metade sul do RS. Rev Gaúcha Enferm., 34(3):124-131, 2013.

Muraro C.F, Gigante LP, Nedel FB, Carvalho TGML, Domenech SC, Gevaerd MS. Estratégia saúde da família e as internações por condições sensíveis a atenção primária nos idosos. Rev. baiana saúde pública; 37(1):20-33, 2013

Boing AF, Vicenzi RB, Magajewski F, Boing AC, Moretti-Pires RO, Peres KG., Lindner SR, Peres MA. Redução das internações por condições sensíveis à atenção primária no Brasil entre 1998-2009. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 46(2):359-366, 2012.

Barreto JOM, Nery IS, Costa MSC. Estratégia Saúde da Família e internações hospitalares em menores de 5 anos no Piauí, Brasil. Cad. Saúde Pública, 28(3):515-526, 2012.

Oliveira RR, Costa JR, MathiaS TAF. Hospitalizações de menores de cinco anos por causas evitáveis. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 20(1):135-142, 2012.

Ferreira JBB, Borges MJG, Santos LL, Forster, AC. Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma região de saúde paulista, 2008 a 2010. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 23(1):45-56, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132018v4n4.1716g329

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. Novidade 2019: a Saúde em Redes foi aprovada para indexação na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorimDOAJ; COLECIONASUS