ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS PARA AUMENTAR A ADESÃO AO EXAME PAPANICOLAU: a experiência da UBSF O-16, Manaus-AM.

Thalita Renata Oliveira das Neves Guedes, Josefa de Abreu Pereira Filha, Roxana Maribel Santillan Espinar, Rose Frank Paulina De Souza, Edmary Ribeiro Cavalcante, André Silva Veiga, Izi Caterini Paiva Alves Martinelli dos Santos, Júlio César Schweickardt, Ivamar Moreira da Silva

Resumo


O câncer do colo do útero é um problema de saúde pública no Brasil e atinge principalmente mulheres com maior dificuldade de acesso aos serviços de saúde, o exame papanicolau é de suma importância na prevenção do câncer de colo do útero. Objetivo: de Relatar os resultados das atividades educativas realizadas para usuárias da UBSF O-16 localizada no bairro da Compensa III, Manaus-AM, com a finalidade de aumentar a adesão ao exame Papanicolau. Método: A pesquisa-ação foi realizada em quatro etapas, sendo a inicial a capacitação da equipe de saúde e a criação do fluxo de atendimento, seguida da sensibilização dos(as) usuários(as) através da roda de conversa e oficina educativa com as mulheres na faixa etária estabelecida e no final a análise dos dados. Conclusões: Os resultados mostraram um aumento de 36,4% de coletas na faixa etária, em relação ao mesmo período do ano anterior. Conclui-se que a adequação no processo de trabalho, a implantação do fluxograma de atendimento e o aumento da oferta de coletas, culminaram em modificações de posturas cristalizadas, de modo a permitir o vínculo entre a equipe e as usuárias.


Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Exposições, a mulher e o câncer do colo do útero-2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/exposicoes/mulher-e-o-cancer-do-colo-do-utero-2018. Acesso em: 01 set. 2019.

Ministério da Saúde. Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

Vanessa RA; Rodrigo VM; Clarany AL; Maria AL. Exame preventivo do câncer de colo do útero: conhecimento de mulheres. (2016). UFPE online, Recife, 10(Supl. 5):4208-18, nov. 2016.

Letícia Ferreira Castro, Exame papanicolaou: o conhecimento das mulheres sobre o preventivo e a estratégia do PSF no combate ao câncer de colo do útero. Uberaba/ Minas Gerais 2010. Pg.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Rio de Janeiro, ano 4, n.1, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/informativo_detecca_precoce_1_2013_4.pf. Acesso em: 01 set. 2019

A pesquisa-ação colaborativa como instrumento para construção de práticas educativas em creche / Stella Grimaldi — 2018. Tese (Doutorado em Educação Escolar) — Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Faculdade de Ciências e Letras (Campus Araraquara). Orientador: Silvia Regina Ricco Lucato Sigolo.

Oliveira MAC, Fernandes ETBS, Merces MC, Fernandes TSS, Gomes AMT. Conhecimento e acesso de mulheres à prevenção do câncer de colo uterino. Enferm. Brasil. 2018; 17(6):685-693.

Nilza MAL; Ana KBP; Saiwori JSBA; Camila TMV; Nobre, Rianna NSN. Avaliação dos laudos citopatológicos de mulheres atendidas em um serviço de enfermagem ginecológica. REME rev. Min. enferm; 12(4): 508-515, out.-dez. 2008. tab, graf. Article de Portugais LILACS, BDENF - Infirmière |ID:lil-546848 Bibliothèque responsable: BR21.1

Rayane OAS, Thais AM, Alzira SBSM, Marcela AR. Adesão das mulheres ao serviço de prevenção de câncer de colo de útero no Município de Guanambi – BA. 2010 e 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer de colo do útero. Rio de Janeiro: Inca, 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016.

Falkenberg, Mirian Benites Et al. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n.3, p. 847-852, Mar. 2014. A

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Rio de Janeiro, ano 4, n.1, jan./abr. 2013.

Instituto Nacional De Câncer José Alencar Gomes Da Silva. Monitoramento das ações de controle dos cânceres do colo do útero e de mama. Informativo Detecção Precoce, Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/informativo_detecca_precoce_1_2013_4.pf. Acesso em: 01 set. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer de colo do útero. Rio de Janeiro: Inca. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

Jeová Rodrigues Barbosa, o perigo no colo da mulher. Palmas Tocantins: Clube de Autores, 2017. p6

Reis VM, David HMSLD. O fluxograma analisador nos estudos sobre o processo de trabalho em saúde: uma revisão crítica. Rev APS. 2010; 13(1):118-125.




DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2021v7n2p%25p

DOI (PORTUGUÊS): https://doi.org/10.18310/2446-48132021v7n2.3582g706

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A revista Saúde em Redes (ISSN 2446-4813) foi classificada pelo Sistema Qualis-Periódico da CAPES no Quadriênio 2014/2016, período de sua criação, no estrato B1 na área de Ensino, no estrato B4 nas áreas de Enfermagem, Interdisciplinar, Psicologia, Saúde Coletiva e Serviço Social e no estrato B5 nas áreas de Geociências e Medicina II. A Saúde em Redes é indexada na Base LILACS.

Indexada no LatindexDiadorim; Google Acadêmico; DOAJ; COLECIONASUS